D. Manuel Clemente celebrou com «mais de 1800 escuteiros» do Oeste, concentrados na «Casa Comum»

Peniche, 30jul 2019 (Ecclesia) – O cardeal-patriarca de Lisboa presidiu à abertura do Acampamento de Núcleo do Oeste do Corpo Nacional de Escutas (CNE) e afirmou que “é um tempo muito bom” para se encontrarem e estarem atentos ao outro.

“É um tempo muito bom para nos encontrarmos uns aos outros e, para todos juntos, fazermos aquilo que o Escutismo nos ensina a fazer: Estarmos atentos a cada um, fazermos atividades e jogos que nos levam mais longe no amor a Deus e no serviço ao próximo”, disse D. Manuel Clemente no Pinhal Municipal de Ferrel, no Concelho de Peniche.

Em comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, a organização do 14º ACANUC (acampamento de núcleo) informa que o tema ‘Casa Comum’ congrega “mais de 1800 escuteiros”, onde se conta uma delegação de escuteiros de Malta, desde domingo até esta sexta-feira.

D. Manuel Clemente, que na juventude foi um dos fundadores do Núcleo do Oeste (1972), destacou que o Escutismo Católico “é uma grande escola”, “um acampamento escutista é a Igreja acampada” e recordou os primeiros acampamentos realizados na década de 70 do século passado.

“Não deixarmos que aquilo que vamos viver durante estes seis dias fique resumido ao Pinhal de Ferrel, mas que consigamos transformar a ‘Casa Comum’ também nas nossas comunidades e nos nossos agrupamentos”, disse por sua vez o chefe de núcleo do Oeste, Carlos Pacheco, na cerimónia de abertura.

Numa mensagem-vídeo enviada aos escuteiros do 14.º ACANUC, o responsável do Corpo Nacional de Escutas encorajou-os a defender o meio ambiente realçando que receberam “de graça” a terra onde vivem.

“Foi criada para que a pudéssemos usufruir mas também para que tenhamos a responsabilidade de a fazer crescer e torná-la num espaço cada vez mais agradável e que possa ser um espaço dos outros que venham a seguir a nós”, desenvolveu o chefe nacional Ivo Faria.

Nesta atividade, que tem a “sustentabilidade ambiental como prioridade”, os escuteiros estão divididos em campo pelas diversas secções, consoante as suas idades, e foi montada uma “autêntica cidade” para o acampamento que se realiza a cada quatro anos e “é o maior de sempre realizado pelo Núcleo do Oeste”.

“Vou de coração cheio porque gostei bastante daquilo que vi até agora e sei que todos, sem exceção, durante esta semana, vão fazer deste pinhal a verdadeira ‘Casa Comum’ que nós queremos para o Núcleo do Oeste, para a Região de Lisboa e para o CNE”, afirmou o chefe regional de Lisboa, João Esteves.

O comunicado informa que todos os agrupamentos que integram o Núcleo do Oeste do CNE, presentes em 10 concelhos, estão a participar no ACANUC, nomeadamente: Alcobaça (Alcobaça, Alfeizerão, Benedita, Coz, Maiorga, S. Martinho do Porto e Vimeiro); Bombarral; Cadaval (Alguber e Vilar); Caldas da Rainha; Lourinhã (Lourinhã e Ribamar); Nazaré (Famalicão e Valado dos Frades); Óbidos; Peniche (Atouguia da Baleia e Peniche); Mafra (Azueira, Ericeira, Encarnação, Milharado, Santo Isidoro e Mafra); Torres Vedras (A-dos-Cunhados, Freiria, Ponte do Rol, Silveira, S. Mamede da Ventosa, Campelos, S. Pedro da Cadeira e Torres Vedras).

CB/OC

Partilhar:
Share