Responsáveis destacam importância da disciplina num ano letivo diferente

Lisboa, 22 set 2020 (Ecclesia) – Alexandra Figueiredo, professora de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) no Agrupamento de Escolas Marinha Grande Poente, destacou a importância da disciplina num ano letivo diferente, onde os docentes procuram ver “o sorriso no olhar” dos alunos.

“Acredito muito sinceramente que os nossos alunos estão desejosos de voltar à escola e sentimos isso neles, sentimos muito que a comunicação, o estar presente, favorece o desenvolvimento pessoal e é imprescindível para eles como seres humanos, como alunos, como pessoas que estão em crescimento e a escola tem uma missão muito importante”, referiu à Agência ECCLESIA.

A docente destaca que o Agrupamento de Escolas Marinha Grande Poente, na Diocese de Leiria-Fátima, tem um plano de contingência por causa da pandemia de Covid-19 que está a ser colocado em prática e a receção aos alunos foi feita “no devido lugar, na altura certa”.

“Todos os professores têm como objetivo que tudo corra de acordo com aquilo que está previsto e olhar os alunos nos olhos”, observa, para realçar a vontade de manter o regime presencial.

“Podemos não ver o sorriso, mas vemos o sorriso no olhar”, assinala, a respeito do uso de máscara.

A professora de EMRC assinala que a disciplina está “programada para ser presencial”, neste ano letivo, tendo em atenção a possibilidade de um “registo misto, novamente online”.

Alexandra Figueiredo salienta a disciplina de EMRC quer estar na escola e estar para os alunos.

“Tenho alunos do 1.º ano ao 12º, tenho alunos que acompanho no percurso escolar, e é muito interessante, porque dá para perceber aquilo que foi transmitido, aquilo que fez sentido, aquilo que lhes fez sentido e vai dar sentido na vida deles”, acrescentou a docente.

Já o coordenador do Departamento da Educação Moral e Religiosa Católica no Secretariado Nacional da Educação Cristã (SNEC) afirma que, neste arranque de ano, o objetivo é trazer uma “palavra de confiança, de esperança” para todos.

Segundo António Cordeiro, a “expectativa” é que o ano escolar que está a começar termine com todos “mais enriquecidos”.

“Oxalá que para alunos que seja um ano excelente e que, preservados de qualquer perigo para a saúde, seja de sucesso escolar”, desenvolveu.

No ano letivo 2020/2021, o SNEC quer “envolver e acompanhar” e “continuar” a promover a formação dos professores, “uma área que importa acompanhar e preocupa”, e num ano “particularmente difícil para programar” existem “vários cenários” para os encontrosnacionais.

O professor António Cordeiro destacou uma proposta que se vai lançar já neste início das aulas, no âmbito do ‘Tempo da Criação’, que a Igreja Católica vive até ao dia 4 de outubro.

“Desde o início do ano promovermos uma atividade que reforce a experiência de comunhão, de serviço e vontade articulada de levarmos o melhor aos nossos alunos”, salientou o coordenador do Departamento da Educação Moral e Religiosa Católica.

Com a dinâmica ‘CAuSA Comum’, a disciplina de EMRC também se associa ao quinto aniversário da Encíclica do papa Francisco ‘Laudato Si’, pedindo aos secretariados diocesanos que concretizem “um gesto, uma reflexão, uma atividade que pensam desenvolver, uma apresentação do património natural da diocese, expressões artísticas” e partilhem a partir desta quarta-feira, no sítio online Educris, da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé.

PR/CB/OC

Partilhar:
Share