Iniciativa lançada desde o Vaticano conta com o apoio da UNESCO e várias instituições académicas

 

Cidade do Vaticano, 15 out 2020 (Ecclesia) – O Papa lançou hoje desde o Vaticano um ‘Pacto Educativo Global’ (Global Compact on Education), propondo sete compromissos por um mundo diferente, na promoção do diálogo ente culturas, da paz e da ecologia integral.

“Na situação atual de crise sanitária, pensamos que este é o momento de aderir a um pacto educativo global para e com as gerações jovens, que empenhe as famílias, as comunidades, as escolas e universidades, as instituições, as religiões, os governantes, a humanidade inteira na formação de pessoas maduras”, disse Francisco, numa mensagem em vídeo transmitida durante o evento de lançamento do Pacto, promovido pela Santa Sé.

A intervenção pediu “audácia” para superar visões centradas apenas na “utilidade, o resultado (padronizado), a funcionalidade e a burocracia, que confundem educação com instrução”.

“Em vez disso, somos solicitados a procurar uma cultura integral, participativa e poliédrica”, sustentou.

O valor das nossas práticas educativas não será medido simplesmente pela superação de testes padronizados, mas pela capacidade de incidir no coração duma sociedade e fazer nascer uma nova cultura.

O Papa manifestou a sua convicção de que “um mundo diferente é possível”, convidadno para o novo Pacto Educativo Global “homens e mulheres da cultura, da ciência e do desporto, artistas, operadores dos meios de comunicação social”.

A iniciativa é apresentada pela Santa Sé como “um pacto de incentivo à mudança, à escala global, para que a educação se transforme em criadora de fraternidade, paz e justiça”.

Pacto Educativo Global – Compromissos

1 – Colocar a pessoa no centro de cada processo educativo

2 – Ouvir a voz das crianças, adolescentes e jovens a quem transmitimos valores e conhecimentos

3 – Favorecer a plena participação das meninas e adolescentes na instrução

4 – Ver na família o primeiro e indispensável sujeito educador

5 – Educar e educarmo-nos para o acolhimento, abrindo-nos aos mais vulneráveis e marginalizados

6 –Encontrar outras formas de compreender a economia, a política, o crescimento e o progresso, na perspetiva duma ecologia integral

7 – Guardar e cultivar a nossa casa comum, protegendo-a da exploração dos seus recursos, adotando estilos de vida mais sóbrios e apostando na utilização exclusiva de energias renováveis

O Papa considerou que a edução é uma “semente da esperança” para a construção duma “civilização da harmonia, da unidade, onde não haja lugar para esta pandemia terrível da cultura do descarte”.

O encontro organizado pela Congregação para a Educação Católica (Santa Sé), na Universidade Pontifícia Lateranense (Roma), sobre o ‘Pacto Educativo Global. Juntos para olhar além’, contou com uma intervenção em vídeo de Audrey Azoulay, diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

A responsável agradeceu ao Papa pelo seu compromisso “em favor da paz”, através da ação educativa, destacando que a “situação difícil afeta, em primeiro lugar, os mais vulneráveis”.

Azoulay falou da educação como um bem comum que está “em perigo”, por causa da atual crise, denunciando a “globalização da indiferença, da violência, do discurso de ódio” contra migrantes, mulheres, marginalizados.

A diretora-geral defendeu “uma nova agenda, um novo compromisso de toda a sociedade para a Educação”.

O evento na Universidade Lateranense contou com intervenções de cardeais e bispos, de responsáveis religiosos e universitários, além de testemunhos de um jovem budista do Japão e um jovem muçulmano da Argélia.

OC

 

O evento desta tarde retomou o apelo feito pelo Papa Francisco a 12 de setembro de 2019, quando disse que havia “necessidade de unir esforços e de criar uma aliança educacional”, reiterando, mais tarde, o convite aos embaixadores de todo o mundo, reunidos por ocasião do discurso ao Corpo Diplomático (9 de janeiro de 2020).

A pandemia obrigou ao cancelamento dos eventos previstos para o último mês de maio, “sem interromper o projeto”, informa o Vaticano, referindo que houve mais de 70 experiências educativas realizadas online sobre os temas do Pacto Educativo Global: dignidade e direitos humanos; paz e cidadania; ecologia integral; fraternidade e desenvolvimento.

Entre as iniciativas apresentadas pela Santa Sé estiveram as ‘Scholas Ocurrentes’, o projeto criado pelo atual Papa, ainda como arcebispo de Buenos Aires, e que hoje é uma fundação pontifícia, procurando criar uma rede mundial de escolas para promover mudanças sociais

 

Covid-19: Papa alerta para «catástrofe» na Educação, por causa da pandemia

 

Partilhar:
Share