Teólogo e membro da Comissão Executiva da Rede Cuidar da Casa Comum destaca assinatura de memorando comum para «certificação verde» das várias comunidades

Lisboa, 13 jun 2021 (Ecclesia) – Juan Ambrório, teólogo e membro da Comissão Executiva da Rede Cuidar da Casa Comum, afirmou que a crise climática é um teste à “credibilidade” do testemunho cristão, na atualidade, elogiando o compromisso das Igrejas em Portugal, neste campo.

“Não tenho qualquer receio de o dizer: não só do testemunho cristão, mas da relevância que as comunidades cristãs querem ou não ter, neste momento histórico tão importante que estamos a viver”, referiu o convidado da entrevista semanal conjunta Ecclesia/Renascença, publicada e emitida ao domingo.

A conversa abordou o memorando para a “certificação verde” das várias comunidades cristãs, que aponta a uma conversão ecológica e à sustentabilidade, assinado este sábado, em Lisboa.

Juan Ambrósio sublinha a dimensão social deste compromisso, para construir uma sociedade para “todos os seres humanos, sem lugar para descartados nem sobrantes”.

“A maneira como as comunidades cristãs se comportarem, no contributo para a construção da sociedade, é absolutamente relevante para serem levadas a sério”, insiste.

O programa ‘Eco Igrejas Portugal’, observa o entrevistado, quer ser um “selo de qualidade” das boas práticas de proteção do ambiente e de sustentabilidade ecológica, à imagem da ‘Église Verte’, em França.

“Nós perseguimos aqui uma sustentabilidade ecológica integral”, precisa o membro da Comissão Executiva da Rede Cuidar da Casa Comum.

O desafio passar por levar até às várias comunidades a possibilidade de se organizarem de maneira sustentável.

“Que tipo de energia utilizam, que desperdícios produzem e como é que os tratam, a descarbonização, a quem compramos os produtos, de que tipo são os produtos…coisas deste género”, aponta.

Para Juan Ambrósio, o objetivo final é “promover a mudança dos estilos de vida”.

O cuidado da Criação pode ser critério, atrevo-me a dizer que deve ser critério para aferir a fidelidade à missão e para aferir a identidade cristã”.

O teólogo destaca que o apelo e o exercício do cuidado percorrem todo o pontificado de Francisco.

“Não é simplesmente uma interpelação ou uma reflexão para o interior da comunidade cristã – também é -, o horizonte é muito mais alargado, quer implicar e convocar a humanidade, enquanto tal”, realça.

Henrique Cunha (Renascença) e Octávio Carmo (Ecclesia)

 

Portugal: Igrejas Cristãs assinam memorando para proteção do ambiente e sustentabilidade ecológica (c/fotos e vídeo)

Partilhar:
Share