Evento homenageou cardeal Jean-Louis Tauran

Roma, 31 out 2019 (Ecclesia) – O Papa Francisco defendeu hoje em Roma a necessidade de um “diálogo para a paz” que envolva as várias religiões, educando as novas gerações para o respeito recíproco.

“Não podemos permanecer indiferentes, limitando-nos a invocar a paz. Todos, educadores e estudantes, somos chamados a construir e proteger a paz todos os dias, dirigindo a nossa oração a Deus”, declarou, durante um discurso na Pontifícia Universidade Lateranense, onde inaugurou uma exposição do artista saudita Othman Alkhuzaiem.

A mostra ‘Caligrafia para o diálogo: promovendo a cultura da paz através da cultura e da arte’ homenageia o falecido cardeal Jean-Louis Tauran, ex-presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé.

Com o Papa estiveram os participantes da Jornada sobre o tema ‘Educação, Direitos Humanos, Paz. Os instrumentos de ação internacional e o papel das religiões’, em preparação para o encontro convocado pelo próprio Francisco, para 14 de maio de 2020, sobre um pacto educativo global.

“Educar para a paz exige dar alívio e resposta àqueles – muitos, infelizmente – que conflitos e guerras condenam à morte ou forçam a abandonar os seus entes queridos, os seus lares e os seus países de origem”, declarou o pontífice.

Francisco pediu espaço para as novas gerações, “com uma linguagem compreensível e atual”, oferecendo “um modelo alternativo ao material e meramente horizontal”.

“Muitas vezes nós também, mulheres e homens de fé, limitamo-nos a dar indicações em vez de transmitir a experiência de valores e virtudes”, advertiu.

O Papa quis saudar o percurso do cardeal Jean-Louis Tauran, que evocou como “um homem de diálogo e pacificador”, um “homem de Deus”.

“Ele fez-nos compreender que não basta parar no que nos aproxima, mas é necessário explorar novas possibilidades para que diferentes tradições religiosas possam transmitir, além de uma mensagem de paz, a paz como mensagem”, indicou.

Francisco concluiu com votos de que os trabalhos em prol de um Pacto Educativo Global possam “inaugurar uma era de paz para toda a família humana”.

O cardeal Jean-Louis Tauran faleceu a 5 de julho de 2018, com 75 anos de idade; foi ordenado sacerdote a 20 de setembro de 1969, e entrou depois ao serviço diplomático da Santa Sé, antes de ser nomeado secretário da Congregação para os Bispos e arquivista e bibliotecário do Vaticano (2003-2007).

Cardeal desde 2003, foi secretário do Vaticano para as relações com os Estados, posição na qual se destacou pela oposição à intervenção militar dos EUA no Iraque; desde 2007 foi o rosto da Santa Sé para as iniciativas do diálogo entre as religiões, uma missão confiada por Bento XVI que foi confirmada pelo Papa Francisco.

OC

Partilhar:
Share