Presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso enviou uma mensagem aos «amigos budistas» por ocasião da festa do Vesakh

Cidade do Vaticano, 11 abr 2018 (Ecclesia) – O presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso (CPDI) enviou uma mensagem à comunidade budista por ocasião da festa do Vesakh, pedindo a promoção de uma “cultura livre de corrupção”.

“Nós budistas e cristãos, enraizados nos respetivos ensinamentos éticos, devemos trabalhar juntos para prevenir a corrupção erradicando as suas causas subjacentes e erradicando a corrupção onde ela existe”, pode ler-se na mensagem publicada hoje pela sala de imprensa da Santa Sé.

O cardeal Jean-Louis Tauran apontou a corrupção, “envolvendo o abuso de posições de poder para ganhos pessoais”, como “um escândalo”, que precisa de ser combatido por todos e para isso as Nações Unidas designaram o dia 9 de dezembro como Dia Internacional Anticorrupção.

“Como líderes religiosos também nós devemos contribuir para fomentar uma cultura imbuída de legalidade e transparência”, reforça.

Na mensagem enviada aos budistas por ocasião da festa do Vesakh, o presidente do CPDI reconhece que há seguidores de ambas as tradições religiosas que “participam de práticas corruptas e isso leva à má governação”.

“Os ensinamentos e práticas budistas não apenas desaprovam a corrupção, mas também buscam transformar o estado de espírito doentio, as intenções, os hábitos e as ações daqueles que são corruptos”, acrescenta.

Por fim o cardeal Jean-Louis Tauran pede o compromisso de um “ambiente livre de corrupção, vivendo uma vida de honestidade e integridade”.

A celebração do Vesakh assinala os principais acontecimentos da vida de Buda; a maior parte dos países de tradição budista celebra a festa a 29 de maio, este ano.

SN/OC

Partilhar:
Share