Peça estreou no Palácio Nacional de Mafra

Lisboa, 04 jan 2020 (Ecclesia) – Um coro formado por 250 crianças e jovens dos 10 aos 17 anos e uma orquestra de cordas de alunos da Academia de Música de Santa Cecília, levaram pela terceira vez as melodias natalícias até ao Palácio Nacional de Mafra, com uma música inédita inspirada em poema de José Régio.

A iniciativa que conta com o apoio da Câmara Municipal de Mafra é já um marco cultural na programação de natal do concelho e na animação da Basílica.

Rui Paiva, diretor da Academia de Música de Santa Cecília reconhece que, para os alunos, se trata de um “momento muito forte para o qual se prepararam durante três meses”.

Os concertos tiveram lugar nos dias 14 e 15 de dezembro, mas foram antecedidos de um concerto inicial, no dia 13, dedicado às famílias.

“Os alunos cresceram com este trabalho, entusiasmaram-se e a nossa esperança é que fique neles uma marca da camaradagem que sentiram nestes dias e da música fantástica que tocaram e cantaram”, afirmou à Agência ECCLESIA o responsável por esta escola de música.

O concerto que, entre cantores e músicos, envolveu 300 alunos da escola, apresentou temas de natal de diversos compositores nacionais, visitando também alguns temas natalícios de compositores estrangeiros.

A conferir uma singularidade especial ao concerto, o facto de alguns temas serem interpretados em simultâneo pelos seis órgão de tubos da Basílica de Mafra.

A direção foi de António Gonçalves, que sublinhou o valor pedagógico do ensino da música como proposta alternativa numa sociedade “em que as coisas aparecem por se carregar num botão”.

Este trabalho de montar compasso a compasso, frase a frase, várias obras musicais, é um trabalho de disciplina e de concentração para eles”.

A novidade passou pela estreia exclusiva de um tema inédito, da autoria de Francisca Pizarro, aluna finalista do Curso Secundário de Composição da Academia de Música de Santa Cecília.

A partir de um poema de José Régio, a aluna compôs a peça musical “Seus braços dão Vida ao mundo”.

Em declarações à Agência Ecclesia, Francisca Pizarro afirma ter escolhido o poema de José Régio “porque não aparenta ser de Natal, tirando a primeira estrofe que anuncia o nascimento de Jesus”.

A autora sublinha o paradoxo do poema falar da crucifixão “apresentando a cruz como sinal de vida, seus braços darão a vida ao mundo”.

“Achei um poema muito romântico, muito bonito, e achei que era um bom desafio para os meus colegas interpretarem” disse.

Este tema inédito e parte do restante reportório de natal podem ser vistos no próximo domingo, na RTP2, pelas 17h45, no programa ‘70X7’.

HM/OC

Partilhar:
Share