Padre Nuno Rosário Fernandes, do Patriarcado de Lisboa, destaca importância de assegurar qualidade das transmissões

Lisboa, 03 nov 2020 (ECCLESIA) – O padre Nuno Rosário Fernandes, do Patriarcado de Lisboa, disse à Agência ECCLESIA que tem dedicado “muito tempo” da sua atividade pastoral na transmissão de eventos da Igreja nas redes sociais, devido á pandemia.

Com sensibilidade para as novas tecnologias e com “algum material técnico”, este sacerdote refere que passou por “uma experiência muito rica”, a qual lhe permitiu “um investimento no tempo e na aprendizagem”.

“Fui solicitado pelos colegas da diocese, também de outras, e alguns pediram conselhos e recomendações sobre o que fazer naquela situação”, sublinhou o entrevistado.

As ferramentas digitais e os meios tecnológicos permitem “fazer um direto com alguma facilidade”, mas é necesário dar “qualidade à transmissão litúrgica”

“Mais do que ter uma grande imagem é ter um bom som”, porque na Liturgia é essencial “ouvir a Palavra de Deus”, realçou o padre Nuno Rosário Fernandes.

Durante o tempo de confinamento, o sacerdote observou que nem sempre se procurou “programar para projetar algo com qualidade”.

Ao nível da linguagem nas novas tecnologias e da transmissão litúrgica na galáxia digital, o entrevistado entende que é fundamental “levar às pessoas um tempo de oração”.

“Um direto a partir de uma igreja é fazer com que essa igreja chegue a casa das pessoas”, precisa.

Com as dificuldades de muitas pessoas em sair de casa, devido à pandemia, as novas tecnologias “abriram as fronteiras da paróquia”.

“Precisamos de investir nestes meios tecnológicos”, finalizou o pároco de Nossa Senhora do Amparo, Benfica, Lisboa, que participou nas Jornadas Nacionais de Comunicação Social 2020, em destaque nas emissões de cada terça-feira no Programa ECCLESIA (RTP2).

PR/LFS/OC

 

 

Partilhar:
Share