Comissão permanente destaca quatro pontos «essenciais para o tempo que se aproxima» e mobiliza os seus membros

Foto: Ricardo Perna/CNAL, Encontro Nacional de Leigos

Lisboa, 08 mai 2020 (Ecclesia) – A Conferência Nacional do Apostolado de Leigos (CNAL), organismo da Igreja Católica, partilhou uma “mensagem de esperança e comunhão”, com todos os movimentos, associações e novas comunidades que “neles encontram o seu modo de estar em Igreja”, nesta pandemia.

“Em tempos únicos trazidos pela pandemia Covid-19, mas que são aqueles em que o Senhor nos convida a viver e dar testemunho, sabemos o quanto toda a Igreja e particularmente as associações de fiéis, movimentos eclesiais e novas comunidades de apostolado laical se têm mobilizado para manter acesa a experiência de Fé e para viver a alegria do Reino de Deus”, destaca a comissão permanente da CNAL.

Num comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA, o organismo da Igreja Católica em Portugal destaca quatro pontos “essenciais para o tempo que se aproxima”, no contexto das “mais recentes recomendações” da Igreja sobre uma “adequação dos comportamentos pessoais e sociais”, enquadradas pelas orientações das autoridades de saúde.

No primeiro ponto, a Conferência Nacional do Apostolado de Leigos assinala que este é um tempo para continuar “a manter e enriquecer a vida de Fé a partir de casa”, permanecendo atentos às “necessidades do mundo e à sua evangelização”, apesar do desconfinamento gradual em diversos sectores da sociedade.

A CNAL pede aos seus associados que estejam “prontos a ajudar a reestabelecer a confiança” de todas as pessoas “no quadro de uma comunidade eclesial participada e corresponsável”, no âmbito da abertura dos espaços das igrejas e sua a preparação em relação “às medidas sanitárias e de saúde” que vão ser necessárias.

O terceiro ponto essencial é um pedido de disponibilidade para de “muito especial cuidar dos mais frágeis, dos carenciados, dos doentes” e de todos aqueles que, “em tempos de crise, mais sofrem”, porque a crise sanitária do novo coronavírus “está a levar (e levará) a uma crise económica, social e cultural”.

“As orientações para o regresso a uma relativa normalidade serão graduais, pelo que devemos enfrentar juntos os desafios que se apresentam à sociedade e à missão da Igreja e que nos convocam particularmente a nós como leigos”, explica a CNAL por último, realçando que devem “estimular possíveis colaborações recíprocas” entre os seus membros.

A comissão permanente da Conferência Nacional do Apostolado de Leigos termina o seu comunicado a lembrar que foram “chamados a ser cristãos neste momento da História”: “Que este tempo de Páscoa nos ofereça a paz, a confiança e a inspiração a viver naquilo que o Senhor nos pede.”

A CNAL que reúne organismos, associações e movimentos de leigos de todo o país promove uma grande encontro de reflexão, encontro e celebração, que já se realizou nas Dioceses de Coimbra, Porto, Évora, Viseu e Santarém.

CB

Partilhar:
Share