Celebrações litúrgicas acontecerão dentro da Catedral

Foto: semanasantabraga.com

Braga, 10 mar 2020 (Ecclesia) – A Arquidiocese de Braga anunciou hoje o cancelamento de procissões e os concertos da Quaresma e Semana Santa, após uma reunião entre D. Jorge Ortiga e a comissão responsável por estas celebrações, na cidade.

“As orientações dizem respeito às celebrações da Quaresma e Semana Santa em Braga e alargam-se a todo o território da Arquidiocese”, assinala uma nota divulgada hoje através da internet.

Perante as recomendações nacionais dadas pelas autoridades de Saúde, os responsáveis católicos determinaram que, no que concerne à Semana Santa em Braga, “ficam canceladas as procissões e os concertos da Quaresma e Semana Santa”.

A Arquidiocese minhota pede que se mantenha o ambiente decorativo nas ruas, assim como a abertura dos “calvários”.

“As celebrações litúrgicas acontecerão dentro da Catedral, com a toda a dignidade e esplendor que as caracterizam. Se as condições exigirem cuidados especiais, não será permitida a participação de fiéis, a não ser os necessários para os serviços litúrgicos”, pode ler-se.

Neste caso, as celebrações serão transmitidas via internet e rádio.

Aproveitamos esta circunstância para solicitar e agradecer a máxima compreensão. Nunca podemos, nem devemos, cair em alarmismos, mas a ninguém é permitido subestimar a gravidade da situação. A responsabilidade de vencer esta epidemia é de todos e de cada um”.

O documento adianta que outras orientações, mais de índole pastoral, serão publicadas esta quinta-feira.

“Rezemos pelos doentes, pelos seus familiares, pelos médicos e por todos profissionais de saúde, invocando a proteção de Maria, Saúde dos Enfermos e Mãe de Misericórdia”, conclui a nota oficial.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4000 mortos, em vários países; Portugal regista 41 casos confirmados de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O Governo ordenou a suspensão temporária de visitas em hospitais, lares e estabelecimentos prisionais na região Norte, até agora a mais afetada.

OC

Partilhar:
Share