Centro Vocacional Juvenil da Maia aponta a «fraternidade universal»,no seu trabalho

Lisboa, 24 out 2022 (Ecclesia) – O Centro Vocacional Juvenil dos Combonianos, na Maia, começou a com os seus jovens a dinamizar a Rádio JIM, uma emissora online, destaca-se a peregrinação dos símbolos da JMJ na Diocese do Porto, mas promove diversas iniciativas e projetos.

“Surgiu do sonho de criar rádio para todos e feita por jovens, para jovens. Uma radio missionária que leve acima de tudo Jesus e coloque os jovens a trabalhar. Até pode estar só um ouvinte, mas os jovens esforçaram-se para procurar conteúdos, para levar Jesus aos outros”, disse hoje Sara Maia, em entrevista à Agência ECCLESIA.

A coordenadora e assistente da Pastoral Juvenil e Vocacional no Centro Vocacional Juvenil da Maia afirma que “envolver os jovens, comprometê-los”, é uma palavra fulcral, com o apoio de uma equipa onde estão, por exemplo, o padre Filipe Resende e o jornalista José Carlos.

“São eles que trazem as ideias, que gravam, fazem os conteúdos. É bonito ver que querem vir com pressa da escola para gravar, têm mais uma novidade. Há uma equipa de 10 a 12 colaboradores jovens comprometidos com a ‘Rádio JIM’: Passam a alegria de ser jovem e de ser jovem cristão”, desenvolveu Sara Maia.

O padre Filipe Resende, dos Combonianos, assinalou que “é a primeira vez” que os missionários têm esta iniciativa em Portugal.

“Dizemos aos jovens que estão a colaborar connosco que sintam Deus e Jesus naquilo que estão a fazer. Não estão aqui para falar de Jesus e Deus aos outros, estão a encontrar-se com Deus e quem está a escutar também se vai encontrar”, explicou o coordenador nacional da Pastoral Juvenil e Vocacional dos Missionários Combonianos.

O sacerdote frisa que os jovens têm um “espaço completamente aberto” para serem “criativos” na rádio missionária online ‘JIM’, e querem que “esta rádio leve esperança” aos ouvintes.

A nova rádio na internet, que iniciou emissões a 10 de outubro, dia de São Daniel Comboni, está disponível em https://radio.jim.pt/ ou na aplicação (app) dos Missionários Combonianos em Portugal.

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, e as edições anteriores, também estão “muito presentes” nesta rádio com programas dedicados às edições anterior, com “testemunhos, vivências, experiência”, e “todos os dias há ecos ou a agenda” do itinerário da peregrinação dos dois símbolos da JMJ – a cruz e o ícone – que estão na Diocese do Porto, até ao dia 31 de outubro.

“Se calhar, para muita gente, a passagem dos símbolos será a jornadas deles, por várias razões”, observou Sara Maia, no Programa ECCLESIA transmitido hoje na RTP2.

O padre Filipe Resende acrescenta que todos os dias têm “saído coisas extraordinárias dos símbolos”: “Há pessoas que estão a dar testemunho de serem tocadas de uma forma que não estávamos à espera”.

Sara Maia explica que no Centro Vocacional Juvenil da Maia têm várias atividades programadas para este ano pastoral 2022/2023, como o projeto do voluntariado, com as pessoas em situação de sem-abrigo na zona do Porto, aos sábados, de 15 em 15 dias, grupos de animação da Eucaristia, e propostas de preparação para a JMJ Lisboa, “que não é um festival de verão, antes pelo contrário”.

Outubro é o mês missionário na Igreja Católica, que celebrou o Dia Mundial das Missões este domingo, e os dois responsáveis destacaram que “trabalhar a fraternidade universal” é um dos objetivos, e “despertar os jovens para a missão”.

PR/CB/OC

Partilhar:
Share