Bispo diocesano lembra que estão «todos interligados no horizonte da fraternidade universal e da amizade social»

Bragança, 28 nov 2020 (Ecclesia) – O bispo de Bragança-Miranda apresentou hoje o no Ano Pastoral para a diocese, propõe um “triénio de ‘Igreja em saída’” e desafia  os diocesanos a construir “uma pandemia de esperança”.

“Estamos todos interligados no horizonte da fraternidade universal e da amizade social, que este tempo de pandemia Covid-19 ainda mais nos demanda nos processos da missão. Sejamos construtores de uma pandemia de Esperança!”, afirma D. José Cordeiro.

O bispo de Bragança-Miranda explica que o Evangelho da vida “é lugar de escuta e de compromisso nos enormes desafios que o tempo duro de pandemia” incita a uma “maior conversão ecológica integral”, desafios que pedem uma “resposta pessoal”.

A diocese transmontana começa hoje o novo ano litúrgico-pastoral, onde o bispo diocesano apresenta a nota pastoral ‘Uma Igreja Una e Santa. Tu interessas-me! A Busca. «Jovem, Eu te digo, levanta-te», numa iniciativa com um número restrito de participantes, entre as 09h30 e as 12h30, na catedral.

“Estaremos dispostos a mudar os estilos de vida pessoal e da pastoral eclesial?”, questiona D. José Cordeiro no documento onde observa que “alguns pensam que os jovens estão perdidos” mas “não estão perdidos, porventura, poderão estar desorientados neste tempo que toca viver”.

Neste contexto, assinala que não podem “viver sem memória” e na amizade inter-relacional pede que saibam “dar vez e voz aos jovens e acompanhá-los nos sonhos e nas escolhas”.

Na nota pastoral 2020/2021, o bispo de Bragança-Miranda recorda que no Credo professam – «creio na Igreja una, santa, católica e apostólica» – e no primeiro ano litúrgico e pastoral gostariam de “testemunhar as duas primeiras notas da Igreja – Una e Santa – guiados pela palavra de Jesus «Jovem, Eu te digo, levanta-te»”, dedicada para o primeiro ano do caminho para a JMJ.

“A grande linha de ação na pastoral juvenil será a busca, isto é, buscar Deus”, salienta.

D. José Cordeiro assinala que, neste novo ano litúrgico-pastoral, gostariam também de “privilegiar o acompanhamento da fé das crianças, e é “com muita alegria” que lhes escreve “para saudar e para fazer chegar uma palavra de muita estima e de encorajamento na confiança em Deus e na Igreja”.

“Olho para vós com muita esperança! Vós sois frutos da alegria de Deus, testemunhos do Seu amor, sementes de futuro. Continuo a contar muito com cada um de vós, com a vida que Deus em vós acendeu, com a vossa vontade de crescer, com a amizade que quereis cultivar com Jesus, com a vossa capacidade de amar”.

Foto: Diocese de Bragança-Miranda

O bispo diocesano afirma que “é preciso acreditar e amar a Igreja, serva e esposa de Jesus Cristo” e pede aos diocesanos que não tenham “ilusões”, “a comunidade perfeita existe mas só na eternidade” e “educar é como semear, mas o fruto não está garantido, não é imediato”.

D. José Cordeiro afirma que a Igreja Católica em Bragança-Miranda “precisa de novos evangelizadores para a Nova Evangelização” e incentiva: “Faz Missão! Sê Missão!”

“É necessário que todos os batizados e crismados tomem consciência da sua própria responsabilidade na vida eclesial.”

Na sessão de abertura do novo ano litúrgico-pastoral (plano 2020/2021) é apresentado o projeto pastoral e o logótipo para o triénio de 2020-2023, assente no tema ‘Uma Igreja serva que educa, celebra e festeja’, o Mosteiro Trapista de Santa Maria, Mãe da Igreja, a iniciativa ‘Faz Missão – JMJ Lisboa 2023’ e uma reflexão e um estudo sobre a catequese.

“Propomo-nos a um triénio litúrgico e pastoral eclesiológico de ‘Igreja em saída’ com todos, acompanhando e escutando na fé adulta, nomeadamente, as crianças, os adolescentes e os jovens num renovado sentido eclesial: Uma Igreja Serva que educa, celebra e festeja, rumo à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023. Igreja é Missão. Tu interessas-me!”, indica D. José Cordeiro.

CB/OC

 

Partilhar:
Share