Foto: Diário do Minho

Braga, 17 mar 2019 (Ecclesia) – Os donativos recolhidos pelas comunidades católicas da Arquidiocese de Braga na preparação para a Páscoa de 2018 ajudou 105 famílias a pagar a renda da sua habitação.

Os dados foram adiantados ao ‘Diário do Minho’ pelo cónego Roberto Rosmaninho, presidente da Comissão Arquidiocesana da Pastoral Social e Mobilidade e membro do núcleo executivo do Fundo Arquidiocesano ‘Partilhar com Esperança’, numa entrevista sobre a chamada “Renúncia Quaresmal” do último ano.

O fundo destinou 36 327,09 euros para o apoio dessas famílias, que englobam 221 pessoas.

O sacerdote destaca ainda o auxílio que foi prestado a vítimas de violência doméstica, destinando 3370 euros a oito pessoas.

O responsável salienta que, da intervenção realizada pela Cáritas Arquidiocesana de Braga, Conferências Vicentinas e grupos sociocaritativos, “sobressai claramente o gasto em rendas habitacionais”.

“O valor médio de apoios subiu. Passou-se de um auxílio de 289,47 euros por família, ou seja, 102,27 por pessoa, verificado em abril de 2018, para 345,97 euros por agregado familiar, isto é, 164,37 por membro. Este aumento médio reflete bem o apoio dos fiéis da Arquidiocese de Braga aos objetivos do contributo quaresmal e do trabalho que as instituições têm concretizado”, refere o cónego Roberto Rosmaninho Mariz.

A renúncia quaresmal de 2018 ajudou ainda à reativação de uma escolha na paróquia de Santa Cecília de Ocua, na Diocese moçambicana de Pemba, à construção de uma residência para a equipa missionária e ao envio de um grupo de religiosas para a comunidade paroquial de Ocua.

A mensagem de D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, para a Quaresma de 2019, destaca esta dimensão missionária, apresentando duas prioridades para o “contributo penitencial” das comunidades católicas: a reabilitação da casa da paróquia de Santa Cecília de Ocua e a construção de uma casa que no futuro possa receber uma congregação feminina.

OC

Partilhar:
Share