Tomada de posse de nova equipa do VI Mandato aconteceu esta quarta-feira, na Assembleia da República

Foto: Assembleia da República

Lisboa, 22 jul 2021 (Ecclesia) – Os membros que constituem a nova equipa do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida tomaram posse esta quarta-feira, para um mandato de cinco anos, numa cerimónia que decorreu na Assembleia da República.

O padre José Manuel Pereira de Almeida, vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, é o membro designado pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, e assinalou hoje à Agência ECCLESIA ser esta a primeira vez que o CNECV integra alguém da área da Teologia Moral.

“Não há ética da vida em laboratórios sem a componente social, sem a denúncia de poucos terem muito e muitos não terem nada. Estas questões da sociedade, de ética social, têm uma grande influência na ética da vida”, sublinha .

A reflexão ética sobre a vida, e a vida em sociedade, são o contexto que hoje se entende englobar, por exemplo, “a vacinação em Portugal e no mundo”, a pobreza, o envelhecimento, “e a forma como tratamos os nossos idosos”, bem como os desafios que “a tecnologia oferece”.

“A pandemia veio mostrar a fragilidade do envelhecimento e a vida nos lares. Que sociedade queremos construir? Queremos dar um acompanhamento eficaz aos idosos, em suas casas, com cuidados continuados e paliativos, ou descartamos as pessoas para estruturas, muitas delas clandestinas, e sem condições?”, questiona o especialista.

O padre José Manuel Pereira de Almeida fala em “matérias de bem comum” que devem ser refletidas com vista a uma igualdade entre países: “Trata-se de um contributo para Portugal e para a Europa, para sermos um continente de comunhão e não de exclusão”.

O CNECV é um órgão plural, consultivo e independente que tem por missão analisar os problemas éticos suscitados pelos progressos científicos nos domínios da biologia, da medicina ou da saúde e das ciências da vida.

Foto: Assembleia da República

O VI Mandato do CNECV, que agora começa, tem a sua primeira reunião agendada para setembro, onde serão eleitos o presidente e vice-presidente, e marca três décadas sobre a primeira reunião plenária da entidade.

“Desde o seu inicio, e lembro-me bem da presença do padre Luís Archer, que tem contribuído ativamente para o debate público, para que este seja efetivo na sociedade portuguesa. Interessa o contributo para o debate e a composição da equipa, é suposto refletir a pluralidade da sociedade portuguesa, entre membros eleitos pela Assembleia da República e outros designados”, esclarece o vice-reitor da UCP.

Tratando-se de um órgão independente, o CNECV desenvolve “reflexão própria”, com redatores que “elaboram pareceres” sobre temas por si escolhidos, sendo que as consultas e reflexões não são vinculativos.

O padre José Manuel Pereira de Almeida, que leciona Teologia Moral Social, na Faculdade de Teologia, e Doutrina Social da Igreja no Instituto de Estudos Políticos, indica que, “haverá, naturalmente”, um “reflexo do pensamento da Igreja sobre as questões da vida, que é um pensamento plural, não monolítico”.

O responsável sublinha que, apesar de desvalorizado na atual Europa, o estudo da Teologia pode ser “muito importante, sobretudo para leigos empenhados, que possam contribuir para a reflexão da Igreja em Portugal e no mundo”.

LS

Partilhar:
Share