Bispo diocesano sublinha sinal de esperança, com primeira ordenação sacerdotal em cinco anos

Beja, 29 jun 2020 (Ecclesia) – O bispo de Beja presidiu este domingo à ordenação sacerdotal de Francisco Molho, a primeira na comunidade alentejana em cinco anos, falando num sinal de esperança no contexto do 250.º aniversário da restauração da Diocese.

“Foi o momento alto destas celebrações”, disse hoje D. João Marcos à Agência ECCLESIA.

A ordenação foi celebrada na Catedral de Beja, onde o responsável católico afirmou que “sem amor a Cristo, a vida de um padre é uma vida vazia” e perdem sentido “o celibato, a pobreza, a obediência”, transformados em ideias “certamente belos, mas irrealizáveis”

A homilia partiu do diálogo de Jesus com o apóstolo Pedro, no qual lhe deixa um convite – “segue-me” -, com um caráter “particularmente vivo e forte” para o novo sacerdote.

O bispo de Beja referiu que o ministério apostólico não é uma “carreira”, mas resposta a vocação, ao “chamamento do Senhor”

“Antes, fomos eleitos pelo Senhor”, insistiu.

Francisco, podes ver por trás das mãos daqueles que te acompanharam até ao dia de hoje as mãos do próprio Senhor”.

D. João Marcos deixou várias recomendações ao novo sacerdote, sublinhando que ser discípulo do Senhor é “ir atrás dele”, fazer “a vontade do Pai” e não a própria.

“Cuida das coisas do Senhor e Ele cuidará das tuas”, referiu.

Num olhar sobre a diocese, o bispo de Beja convidou a uma Igreja “missionária, em saída”, com padres capazes de “abrir as portas” e de “despertar e pôr a caminho” os “paralíticos espirituais”, que não assumem a vida cristã.

No final da Missa, D. João Marcos agradeceu aos presentes por uma “bela celebração” e deixou uma palavra especial aos familiares do padre Francisco Molho.

“O Senhor vos abençoará, o Senhor já vos abençoa com esta oferta”.

O novo sacerdote dirigiu-se à assembleia, falando no “dia mais feliz” da sua vida, com vários agradecimentos e assumindo o desejo de poder chegar, com o seu ministério, a “tantos homens e mulheres sedentos de Deus”.

Para o próximo Ano Pastoral, o padre Francisco Molho é nomeado pároco de Melides e Carvalhal (Vicariato), vigário paroquial de Grândola, Azinheira de Barros, Santa Margarida da Serra e assistente diocesano do CNE-Escutismo Católico Português, mantendo as atuais funções de capelão do Estabelecimento Prisional do Pinheiro da Cruz e coordenador do Departamento Diocesano de Pastoral Juvenil.

As celebrações dos 250 anos da restauração da Diocese de Beja prosseguem a 10 julho, com a celebração da Missa Crismal, que reúne o bispo e o clero, e a 12 julho, com uma cerimónia solene aberta à participação da comunidade.

A diocese alentejana foi restaurada a 10 de julho de 1770, através da bla ‘Agrum Universalis Ecclesiae’, do Papa Clemente XIV.

OC

Partilhar:
Share