Comunidades proféticas na paz e no amor

Tomar consciência da radicalidade e da exigência da missão que Deus nos confia é a principal mensagem da liturgia da Palavra de Deus deste 20.º domingo do tempo comum. Não há meios-termos: Deus convida-nos a um compromisso, corajoso e coerente, com a construção do novo céu e da nova terra. É essa a nossa missão profética.

Na primeira leitura, o profeta Jeremias recebe de Deus uma missão que lhe vai trazer o ódio dos chefes e a desconfiança do Povo de Jerusalém: anunciar o fim do reino de Judá. Jeremias vai cumprir a missão que Deus lhe confiou. Ele sabe que a missão profética não é um concurso de popularidade, mas testemunhar com verdade e coerência os projetos de Deus.

A segunda leitura convida o cristão a correr de forma decidida ao encontro da vida plena, como os atletas que não olham a esforços para chegar à meta e alcançar a vitória. Cristo, que nunca cedeu ao mais fácil ou ao mais agradável, mas enfrentou a morte para realizar o projeto do Pai, deve ser o modelo que o cristão tem à frente e que orienta a sua caminhada.

O Evangelho reflete sobre a missão de Jesus e as suas implicações. Define a missão de Jesus como um «lançar fogo à terra», a fim de que desapareçam o egoísmo, a escravidão e o pecado, e nasça o mundo novo, o Reino. No entanto, a proposta de Jesus traz divisão, pois é uma proposta exigente e radical, que provoca a oposição de muitos; Jesus aceita mesmo enfrentar a morte, para que se realize o plano do Pai e o mundo novo se torne uma realidade palpável.

Deixemo-nos interpelar pelo Evangelho, que mostra que o objetivo de Jesus não passava por conservar intacto o que já existia, pactuando com essa paz podre que não questiona o mal, a injustiça, a escravidão, a corrupção. Jesus quer «incendiar o mundo» de paz e de amor, pondo em causa tudo aquilo que escraviza o homem e o priva de vida.

Como é que eu me situo face a tudo aquilo que põe em causa o projeto de Deus para o mundo? Com conformismo e indiferença, ou com coragem e empenho de quem se sente profeta e enviado de Deus a construir o novo céu e a nova terra?

O fogo que Jesus veio atear, fogo purificador e transformador, já atingiu o meu coração e já transformou a minha vida? Animado pelo Espírito de Jesus ressuscitado, já renunciei à vida de egoísmo e de comodismo, para fazer da minha vida um compromisso com o Reino, se necessário até ao dom da vida?

Oxalá que as nossas comunidades cristãs sejam fiéis a Jesus Cristo, mantendo a mesma intensidade profética na defesa da paz e da justiça, na promoção da vida, da verdade e do amor.

Manuel Barbosa, scj

www.dehonianos.org

 

Partilhar:
Share