Cónego Hélder Fonseca Mendes lembra também que «este é um mês intenso», destacando diversas iniciativas e o final do ano escolar e catequético

Foto: COD Angra

Angra do Heroísmo, Açores, 31 mai 2022 (Ecclesia) – O administrador diocesano de Angra fez hoje um apelo a “todos os jovens açorianos” para acolherem os dois símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que estão a peregrinar no Arquipélago dos Açores até 28 de junho.

“Já passaram pelas mãos de tantos outros jovens, bem como aqueles que desde os anos 80 do século passado participaram em alguma JMJ. São os jovens e os adultos de hoje convidados a receberem e a transmitirem os símbolos de mão em mão”, escreveu o cónego Hélder Fonseca Mendes, numa nota pastoral publicada no sítio online da Diocese de Angra.

No documento, a propósito da visita dos símbolos da Jornada Mundial da Juventude aos Açores, que começou no dia 26 de maio, o administrador diocesano de Angra faz “um apelo e convite a todos os jovens açorianos a acolherem” a Cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora.

“Nos meses que antecedem cada JMJ, os símbolos partem em peregrinação no país que acolhe as jornadas para serem anunciadores do Evangelho e acompanharem os jovens nas realidades em que vivem”, acrescenta, assinalando a “graça” que têm em receber os dois símbolos “em todas as ilhas dos Açores”.

O cónego Hélder Fonseca Mendes salienta que “este é um mês intenso” de escolhas, sobretudo dos jovens, dos que vão terminar o ensino secundário e universitário, e dos que colocam a questão da vocação e da dedicação da sua vida.

Os jovens que terminam o 12.º ano de escolaridade e questionam-se sobre “a vocação consagrada” são incentivados a contactar o Seminário Diocesano de Angra, e, como testemunho, destaca-se a celebração dos jubileus de três padres, por 25 e 60 anos de sacerdócio, no dia 19 de junho, em Angra do Heroísmo.

Segundo o responsável católico, a Pastoral Juvenil e Vocacional da Diocese de Angra tem “um grande trabalho pela frente”, e a Pastoral Familiar também, associando-se ao encerramento do X Encontro Mundial de Famílias, no dia 26 de junho, a partir de Ponta Delgada.

Foto: COD Angra

O administrador diocesano de Angra destaca também que chegou o tempo de concluírem, “em grupos e comunidades”, a fase diocesana Sínodo dos Bispos 2021/2023, e serem uma “Igreja diocesana missionária e integradora”.

A Pastoral Escolar, adianta o sacerdote, está a trabalhar para “incentivar os alunos e pais a inscreverem-se na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica” (EMRC), do 1º ciclo ao 12º ano, “em todas as escolas da região”.

“Essa não é uma decisão administrativa, mas uma escolha livre e consciente, de uma oferta obrigatória que o nosso sistema de ensino apresenta”, explica, sobre a disciplina de opção facultativa.

No documento, o cónego Hélder Fonseca Mendes recorda que o final de ano letivo “é o período da bênção de pastas de finalistas universitários”, enquanto na Igreja é o final de uma “etapa no percurso na iniciação à vida cristã”, que tem maior expressão a 16 de junho, na solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, com crianças da Primeira Comunhão, as festas dos santos populares, e o mês “o mais rico na vivência do Espírito Santo”.

CB/OC

 

JMJ Lisboa 2023: Símbolos vão ao encontro dos jovens nas nove ilhas dos Açores

Partilhar:
Share