D. Manuel Quintas saudou famílias e evocou pessoas afetadas pela pandemia

Faro, 01 jun 2020 (Ecclesia) – O bispo do Algarve presidiu este domingo, na Sé de Faro, à Eucaristia da solenidade de Pentecostes e Dia da Igreja Diocesana, assinalando a “serenidade e responsabilidade” que marcaram o regresso das celebrações comunitárias das Missas.

D. Manuel Quintas apelou à responsabilização de todos, com prioridade à segurança e ao bem comum, após “o tempo de privação” provocado pela suspensão das cerimónias com fiéis, desde 13 de março, por causa da pandemia de Covid-19.

O responsável católico começou por dar as boas-vindas a todos os presentes, na Catedral, e na homilia leu a mensagem que enviou às comunidades católicas no regresso das Eucaristias dominicais com a presença de fiéis.

O bispo do Algarve falou num dia de “esperança”, vivido com o “coração cheio de alegria”, rezando depois por várias intenções comuns da diocese, de modo particular todas as famílias” e as pessoas que faleceram ao longo destes meses, vítimas ou não da Covid-19, para as quais “não foi possível realizar um funeral condigno”; pelos que se encontram “nos cuidados intensivos ou apenas hospitalizados”, os que estão “a recuperar nas suas casas” e os profissionais que “na linha de frente, continuam a combater, de muitos modos, esta pandemia”.

D. Manuel Quintas recordou ainda as crianças que viram adiada a sua Primeira Comunhão ou o Batismo, bem como os jovens, em relação ao Crisma.

O bispo diocesano pediu que “o medo” não afaste ninguém da Eucaristia dominical e todos participem, observando “com responsabilidade quanto é pedido”, para conter a propagação do novo coronavírus.

“Não é fácil, exige paciência de todos”, observou, já após a Comunhão.

No final da Missa, D. Manuel Quintas destacou a importância da oração e da vivência da “Igreja em família”, que se intensificou nas últimas semanas.

A Eucaristia de Pentecostes contou com a instituição do seminarista Samuel Camacho no ministério dos acólitos.

OC

Partilhar:
Share