D. Manuel Quintas assinalou que a paz começa pela «conversão pessoal» de cada um

Faro, 11 abr 2022 (Ecclesia) – O bispo do Algarve apelou à construção da paz antes da bênção dos ramos, que desejou que fossem “sinal dessa paz”, na celebração deste domingo que deu início à Semana Santa.

“Este ano, pelas razões conhecidas, gostaríamos que este ramo fosse para todos nós sinal dessa paz. Ao erguê-lo durante a procissão queremos, de certa maneira, dizer que queremos ser construtores da paz”, disse D. Manuel Quintas, antes da bênção dos ramos, divulga o jornal diocesano ‘Folha do Domingo’.

O bispo do Algarve lembrou que a construção da paz começa nos “corações”, continua na “família”, prosseguindo no trabalho e nas “relações pessoais”.

Neste contexto, recordou que a consagração da Rússia e da Ucrânia, da Igreja e da humanidade inteira, ao Imaculado Coração de Maria, presidida pelo Papa Francisco em Roma, com ligação ao Santuário de Fátima, no dia 25 de março, aconteceu numa celebração penitencial.

“Isso quer dizer que a paz começa pela nossa conversão pessoal, que, antes de mais, a paz começa no coração de cada um de nós”, assinalou.

Na celebração de Ramos, D. Manuel Quintas pediu que a “humildade” seja a atitude durante a Semana Santa, que começou este domingo, explicando que “é o valor principal” que transmite a atitude de Jesus diante da paixão e da morte.

“Semana Santa porque queremos nos santificar com os mistérios que nela vamos celebrar, mistérios principais da nossa fé: a paixão, a morte e a ressurreição de Jesus”, disse o bispo do Algarve, na Sé de Faro, depois da bênção dos ramos e procissão que começou na igreja da Misericórdia, lê-se no jornal diocesano ‘Folha do Domingo’.

CB

 

Partilhar:
Share