«Um mês em que toda a diocese é convidada a viver antecipadamente as jornadas» – D. Manuel Quintas

Foto Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Faro, 26 nov 2019 (Ecclesia) – O bispo do Algarve anunciou que a cruz e ícone mariano da Jornada Mundial da Juventude vai percorrer a diocese do sul de Portugal em janeiro de 2021, na preparação para o encontro do ano seguinte, que se vai realizar em Lisboa.

“Vai ser um mês em que toda a diocese é convidada a viver antecipadamente as jornadas”, afirmou D. Manuel Quintas no último Conselho Diocesano de Pastoral.

Na informação enviada hoje à Agência ECCLESIA, pelo jornal ‘Folha do Domingo’, o bispo do Algarve assinalou que este “é um acontecimento que não podem passar ao lado” da diocese.

D. Manuel Quintas realçou que é preciso “alargar o horizonte do anúncio do Evangelho, envolvendo os jovens” e explicou que vão ser feitas catequeses de preparação do evento, tendo em conta os temas dos três anos até 2022, referindo ainda que o delegado diocesano ao Comité Organizador Local da JMJ 2022 já participou em duas reuniões nacionais.

A Cruz de madeira das Jornadas Mundiais da Juventude tem com quase 4 metros de altura e foi São João Paulo II que entregou aos jovens de todo o mundo, no final do Ano Santo da Redenção (1983-1984); Mede 380 cm de altura e pesa 31 kg; os braços medem 175 cm de largura e os painéis em madeira medem 25 cm de largura.

A primeira peregrinação da Cruz do Ano Santo (como era então conhecida) foi em julho de 1984, a Munique na Alemanha para o “Katholikentag” (Dia Católico); ao longo desse ano, os jovens levaram a Cruz a Lourdes, Paray-le-Monial e outros locais na França.

O Papa polaco também confiou aos jovens de todo o mundo um Ícone da Virgem Maria “Salus Populi Romani” – venerado durante a XV Jornada Mundial da Juventude de 2000, em Roma – que agora está também presente em todas as JMJ; Mede 118 cm de altura, 79 cm de largura e 5 cm de profundidade, pesando 15 Kg.

A Cruz da JMJ e o ícone de Maria estão em Roma e vão ser entregues a uma delegação de jovens portugueses no Domingo de Ramos do próximo ano, a 5 de abril de 2020, no Vaticano; O Patriarcado de Lisboa acolhe a próxima edição internacional deste encontro de jovens, no verão de 2022, a primeira em território português.

O Sector Diocesano da Pastoral Juvenil do Algarve está a promover uma viagem a Roma, de 3 a 6 de abril de 2020, para integrar o contingente português.

Foto Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O jornal ‘Folha de Domingo’ recorda que os símbolos das JMJ já estiveram na Diocese do Algarve a 17 de outubro de 2003, no âmbito da preparação da JMJ de Colónia (2005), na Alemanha, e regressaram a 13 de agosto de 2010, antes da JMJ Madrid 2011, em Espanha.

As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

Cada JMJ realiza-se, anualmente, a nível local (diocesano) no Domingo de Ramos, alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos, numa grande cidade.

As edições internacionais destas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

CB/OC

Partilhar:
Share