«Deus visita-te… sê anfitrião!» é o tema do itinerário que tem como ícone uma tenda

Braga, 22 nov 2022 (Ecclesia) – Os bispos de Braga dirigiram à diocese uma mensagem para o tempo do Advento e de Natal, sublinhando a importância de não “deixar ninguém para trás”.

“A Igreja sinodal samaritana, que nós somos, não pode exigir a cada pessoa este caminho de preparação e de acolhimento da visita de Deus, a não ser que o faça em conjunto, com todos, sem deixar ninguém para trás, sobretudo olhando com particular cuidado os mais pobres e os mais frágeis”, escrevem D. José Cordeiro, arcebispo primaz, e os bispos auxiliares D. Nuno Almeida e D. Delfim Gomes.

Os responsáveis católicos assinalam que o novo tempo litúrgico “não se trata apenas” de uma época do ano para “expressar de forma mais visível a solidariedade recíproca”.

“É um tempo propício para assumirmos com maior convicção a nossa identidade: Caminhamos juntos ao encontro da vulnerabilidade humana, pois é aí um dos lugares privilegiados da visita de Deus”, acrescentam.

O Advento, que começa no próximo domingo, vai ter, na Arquidiocese de Braga, a “marca particularmente significativa” de coincidir com o início do novo Ano Pastoral, com o tema ‘onde há amor, aí habita Deus’.

‘Deus visita-te… sê anfitrião!’ é o tema da caminhada de Advento-Natal do Ano Pastoral 2022-2023 na Arquidiocese de Braga, apresentado pelo Departamento Diocesano para a Liturgia que explica que o caminho em conjunto que são chamados a fazer é o de serem anfitriões de Deus, “nas realidades concretas que Ele visita e em que se faz presente”.

“Com esta proposta, pretende-se que cada comunidade mantenha uma fidelidade criativa, para ser sinal de unidade em toda a Arquidiocese. Não é preciso que exista uniformização, pois a diversidade é semente de unidade; e, unidos, podemos caminhar juntos”, assinalam os bispos na sua mensagem.

Como ícone para a caminhada de Advento-Natal 2022-2023 foi escolhido a tenda e, em cada uma das semanas deste itinerário, vai ser colocado um símbolo – relógio, água, jarro quebrado, ponto de interrogação, candeia, bandeira branca, vaso com planta – que vai expressar realidades visitadas por Deus: As crianças, adolescentes e jovens; os pecadores; os frágeis; os incrédulos; as famílias; os conflituosos e a criação.

“Porque somos Igreja sinodal samaritana, queremos caminhar juntos com todos. Daí que a proposta não se reduzirá à comunidade cristã, com as propostas da Liturgia, mas estenderá as sugestões para as famílias, para os grupos de catequese, para os jovens e as escolas”, assinala o Departamento Arquidiocesano para a Liturgia, no guião deste itinerário.

O arcebispo D. José Cordeiro, e seus bispos auxiliares D. Nuno Almeida e D. Delfim Gomes, anunciam também que, no início do novo Ano Litúrgico e Pastoral, vai ser retomada a visita pastoral do bispo ao povo que lhe está confiado, “uma expressão de sinodalidade”.

“O bispo visita o seu povo, por mandato e à semelhança do próprio Deus. Dar-se-á particular relevo, nesta visita, aos jovens, promovendo e cultivando a existência de um grupo de jovens em cada paróquia ou Unidade Pastoral, tomando consciência de que os jovens são uma bênção de Deus para a Igreja”, desenvolvem na mensagem para o Tempo de Advento e Natal, publicada no sítio online da Arquidiocese de Braga.

CB/OC

Partilhar:
Share