Angra do Heroísmo, 22 abr 2019 (Ecclesia) – O Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres, na cidade de Ponta Delgada, celebra hoje o 60.º aniversário da sua elevação a santuário diocesano de Angra.

“Convidamos todos os cristãos e peregrinos a aprofundarem a sua fé neste ano pastoral de ‘Comunidade Evangelizada em Comunhão Missionária’ e a sermos todos, tudo e sempre missionários do Senhor”, assinalam o reitor e o vice-reitor, respetivamente cónegos Adriano Borges e José Medeiros Constância.

Para comemorar esta efeméride (22 de abril de 1959) realizam-se várias atividades como um encontro de reitores dos santuários diocesanos dos Açores, 24 de maio, um simpósio nos dias 11 e 12 de julho, onde D. Carlos Azevedo, do Conselho Pontifício para a Cultura (Organismo da Santa Sé) aborda o tema «Viver em Cristo: Pleno humanismo de santidade».

A festa este ano vai ser presidida pelo núncio apostólico da Santa Sé na Arménia e na Geórgia, o arcebispo português D. José Avelino Bettencourt, dias 24 e 25 de maio.

“Todos estão convidados a participarem com a Igreja da nossa diocese, ilha e cidade de Ponta Delgada em todos os atos deste programa celebrativo”, sublinham os sacerdotes sobre o programa comemorativo e celebrativo que já contou com conferências centradas na dimensão do acolhimento, da centralidade eucarística, da peregrinação e da conversão.

As festas do Senhor Santo Cristo, no quinto domingo a seguir à Páscoa, “são as maiores festas religiosas dos Açores”, com “milhares de peregrinos” nas ruas de Ponta Delgada.

“Queremos que o nosso Santuário seja no futuro um grande foco de dinamização formativa e espiritual”, realçam os cónegos Adriano Borges e José Medeiros Constância, na informação divulgada pelo sítio online ‘Igreja Açores’.

O culto ao Senhor Santo Cristo dos Milagres foi impulsionado a partir dos séculos XVII e XVIII, dentro dos princípios adotados pela Igreja Católica no Concílio de Trento, no sentido da defesa da importância do culto e da veneração de imagens, um dos princípios de divergência em relação à Reforma protestante.

LFS/CB

Partilhar:
Share