«Enquanto existir uma pessoa surda que deseje e peça este serviço, vamos continuar» – padre Nuno Maiato

Angra do Heroísmo, Açores, 07 fev 2020 (Ecclesia) – A Paróquia de Santa Cruz da Lagoa, na Diocese de Angra, tem um Serviço Pastoral de Apoio a Pessoas Surdas, com interpretes em Língua Gestual Portuguesa (LGP) que participam na catequese, Missas e, atualmente, disponibiliza o Evangelho online.

“A nossa comunidade é muito pequena, conta com duas surdas crismadas e plenamente integradas na vida paroquial que regularmente participam na Missa com intérprete. Muito pontualmente contamos com a participação de outros surdos, não paroquianos, mas desde do início assumimos o compromisso de que enquanto existir, pelo menos, uma pessoa surda que deseje e peça este serviço, vamos continuar”, explicou o padre Nuno Maiato à Agência ECCLESIA.

O pároco de Santa Cruz da Lagoa, na Ilha de São Miguel, Açores, contextualiza que em 2012 começaram as catequeses e Missas mensais de preparação para o Crisma de quatro surdos, com Interpretação em Língua Gestual Portuguesa; em 2017, a LGP passa a estar presente “todos os domingos”, na Eucaristia das 11h30, na igreja matriz; em novembro de 2019, começou o ‘Projeto ESCUTA’, que disponibiliza o Evangelho Dominical em vídeo, em LGP, nas redes sociais e no sítio online da paróquia.

“Com o início do Ano Litúrgico, com o intuito de fazer com a Palavra de Deus chegue a outros surdos, que não participam regularmente na Eucaristia, porque não existe um serviço de Interpretação nas suas Paroquias”, disse o padre Nuno Maiato.

Neste contexto, o sacerdote assinalou que o ‘Projeto Escuta’ Além pretende ser “uma espécie de convite, de interpelação aos surdos” da Ilha de São Miguel para participarem nas Missas na Paróquia de Santa Cruz da Lagoa.

“Este projeto, apesar das suas muitas limitações técnicas tem sido gradualmente bem acolhido, primeiro pela comunidade paroquial e por alguns surdos a nível nacional que tem partilhado nos seus perfis ou páginas as redes sociais”, assinalou.

O padre Nuno Maiato explicou que o Serviço Pastoral de Apoio a Pessoas Surdas, o ‘Protejo DIANA’, nasceu da “vontade de uma paroquiana surda, a Diana Freitas”, que na adolescência “põe como condição” a presença de uma intérprete de LGP para continuar o seu percurso catequético, e depois de receber o sacramento do Crisma “continuou a sua caminhada de fé na comunidade” e integrou o Grupo de Jovens Paroquial do Movimento de Encontro de Jovens Shalom (MEJSh).

Atualmente, os responsáveis pela comunidade católica estão “apenas a aguardar financiamento” para o projeto de um vídeo-guia para a Coleção Visitável da Matriz de Lagoa, que “irá permitir que uma pessoa surda possa visitar este espaço museológico da Paroquia a partir de um vídeo em LGP”.

Neste contexto, o sacerdote adianta que o projeto concorreu ao Orçamento Participativo Jovem de Lagoa e os resultados vão ser conhecidos este domingo e vivem “na expectativa de uma possível vitória, pelas manifestações de carinho e incentivo” que receberam.

A partir de março, a Paróquia de Santa Cruz de Lagoa, na Ilha de São Miguel, vai começar a preparação de um grupo de fiéis que vão participar na 6.ª Peregrinação Nacional da Comunidade Surda ao Santuário de Fátima.

‘A Beleza de Caminharmos Juntos em Cristo’ é o tema do ano pastoral 2019/2020 na Diocese de Angra e o padre Nuno Maiato observa que “Jesus esteve sempre muito atento aos que viviam na margem do caminho” e este Serviço Pastoral a Pessoas Surdas, único na diocese, é “dar a oportunidade a quem não ouve de escutar a Palavra de Deus é expressão de como é belo amar como Jesus”.

O sacerdote, que integra a equipa de Apoio a Pessoas Surdas da paróquia, explica que este serviço pastoral conta com três intérpretes de Língua Gestual Portuguesa – Ana Rita Coutinho, Cátia Melo e Raquel Lima – e ainda a Paula Freitas, a mãe da jovem Diana.

CB/OC

Na televisão, o programa ECCLESIA (RTP2) apresenta o Evangelho que vai ser proclamado nas celebrações de cada domingo em Língua Gestual Portuguesa, desde 16 de fevereiro de 2018; a transmissão de ‘A Fé dos Homens’, onde se inclui o programa da Igreja Católica, conta com interpretação em LGP desde janeiro de 2017

A Língua Gestual Portuguesa está incluída na Constituição da República como uma das línguas oficiais portuguesas desde 15 de novembro de 1997 e o seu dia nacional, assinalado hoje, pretende promover a LGP e garantir o respeito dos direitos das pessoas surdas.

A língua gestual é a forma de comunicação produzida a partir dos movimentos das mãos, do corpo e expressões faciais, e tem um vocabulário especial e uma gramática própria.

Em Portugal, os Censos de 2001 registaram 84 172 deficientes auditivos.

 

 

Partilhar:
Share