Seminário de Angra quer promover o «diálogo entre arte e teologia»

Angra do Heroísmo, 20 mar 2019 (Ecclesia) – O Seminário Episcopal da Diocese de Angra vai promover, entre hoje e dia 22, as Jornadas de Teologia dos Açores, este ano sobre ‘Arte, Expressão que transcende’, colocando em diálogo cultura, religião e fé.

“A arte assume-se sempre como algo de irrepetível e como tal, muitas vezes, também apela, através do sublime, à transcendência e ao divino, mesmo quando nos coloca perante expressões mais estranhas”, disse o reitor do Seminário.

O padre Hélder Miranda Alexandre afirma que a arte “é uma janela de oportunidades para o anúncio da fé cristã”.

Ao sítio online diocesano ‘Igreja Açores’, o sacerdote explicou que é esse diálogo, entre a arte e a fé, que não podem “perder de vista”, por isso, escolheram ‘Arte, expressão que transcende’ para tema da 3.ª Jornada de Teologia da diocese insular.

O salão do Seminário Episcopal vai receber os três dias de encontro, que tem entrada livre, e começam sempre às 20h00, a partir desta noite, até dia 22 de março.

As jornadas começam com a apresentação do Volume II da Revista Fórum Teológico XXI, seguindo-se uma intervenção do bispo de Angra, D. João Lavrador, que é também presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais.

Segundo o programa, ainda hoje, os participantes vão ouvir Joaquim Félix falar sobre ‘Desafios contemporâneos à arte litúrgica’, e assistir a uma exposição sobre arte litúrgica, comissariada pela conservadora Marta Bretão, que é também professora no Seminário diocesano.

‘A estética e mística em São Tomás de Aquino’ é o primeiro tema a ser apresentado esta quinta-feira, pelo padre Cipriano Pacheco e depois o padre Alexandre Palma, professor na Universidade Católica de Lisboa e sacerdote do Patriarcado, fala sobre ‘Estética e Teologia. Contexto, fundamentos e desafios’.

As terceiras Jornadas de Teologia dos Açores, dinamizadas pelo Seminário Episcopal da Diocese de Angra, contam no último dia com a diretora do Secretariado Nacional dos Bens Culturais, Sandra Costa Saldanha, com o tema ‘Sanctarum Imaginum, entre o Homem e o Divino: reflexões sobre algumas diretrizes pastorais na Idade Moderna’.

Do programa consta ainda a conferência ‘Temporalidade e Transcendência na Música Sacra: A Difícil Mediação’, com o musicólogo Rui Vieira Nery, antigo secretário de Estado da Cultura português, antes do encerramento musical que vai ser da responsabilidade da Academia de São Tomás de Aquino.

CB/OC

Partilhar:
Share