A aventura de amor de um padre nigeriano na tribo dos Borana, na Etiópia

Um homem feliz

Numa região remota da Etiópia, um padre nigeriano está a revolucionar a vida dos Borana, uma tribo situada no sul do país. Para o Padre Kenneth Iwunna, este é o melhor lugar do mundo. Mesmo ficando longe, quase perdido no mapa, é um lugar que está cada vez mais perto do Céu. Por ali, são cada vez mais os que se deixam fascinar por Deus através das palavras deste padre espiritano.

Tem 45 anos e está onde sempre sonhou. Mesmo ainda antes de saber escrever, o jovem Kenneth já se imaginava a imitar o padre que todos os dias ia à sua aldeia na Nigéria para celebrar a Missa. Quando já estava no seminário, Kenneth conheceu outro sacerdote. Vinha da Etiópia. Foi outro deslumbramento. Nessa altura, a vontade de ser padre juntou-se ao desejo de ir para a Etiópia. Um sonho que se misturava com aventura. “Não sabia nada sobre o país, mas ainda assim queria ir para lá. Antes de sermos ordenados sacerdotes, fomos autorizados a escolher três lugares no mundo onde gostaríamos de servir. E eu escrevi a Etiópia como minha primeira e segunda escolha e só a Nigéria como terceira…” Fizeram-lhe a vontade. O padre Kenneth Iwunna foi enviado para a terra dos Borana, uma tribo nómada que vive desde há séculos na região sul da Etiópia. “A minha primeira impressão foi que a região era extremamente remota. Mas trabalhar em regiões longínquas onde a Igreja está presente faz parte do carisma da nossa ordem….” Os Missionários do Espírito Santo estão nesta região há anos. Actualmente, são responsáveis por três paróquias e dirigem algumas escolas. Uma das paróquias está nas mãos do Padre Kenneth. Viajar nesta região sul da Etiópia revelou-se também uma aventura. “As estradas são péssimas e só se chega à maioria das aldeias a pé, de mota ou de bicicleta. Às vezes, tenho que viajar 25 a 30 km. Muitas vezes, tenho que atravessar a floresta, onde há leopardos, cobras enormes e hienas…”. No entanto, nada disto tira o sorriso ao Padre Kenneth. Desde há sete anos que vê crescer a semente boa que todos os dias vai largando naquelas terras áridas. Com a ajuda da Fundação AIS, tem desenvolvido algum trabalho junto dos jovens, dos casais e muito particularmente na promoção das mulheres. “A tradição proíbe-as de fazer qualquer coisa fora de casa. A Igreja tem vindo a ajudá-las, oferecendo-lhes a oportunidade de se tornarem catequistas e de ensinarem os outros, especialmente os mais novos”, diz-nos o padre espiritano. “Também incentivamos as meninas a irem à escola. Isso levou a um declínio nos casamentos precoces. Nós acreditamos na evangelização através da educação.”

 

Alegria contagiante

A educação tem vindo a fazer também o seu caminho e são já vários os jovens que querem seguir a vida religiosa. Duas raparigas da tribo dos Borana já manifestaram esse desejo e cinco rapazes sonham também imitar o Padre Kenneth. Além disso, graças a um projecto apoiado pela Fundação AIS, todos os anos cerca de uma centena de jovens participam num programa pastoral que é, acima de tudo, uma oportunidade para descobrirem que há mundo além das aldeias onde vivem. “Para eles é importante reunirem com jovens de outras tribos e conversarem. Podem não falar a mesma língua, mas haverá sempre alguém para os ajudar”, explica o Padre Kenneth. Jovens, crianças, homens e mulheres, todos têm vindo a ser contagiados pela alegria deste sacerdote. Amor com amor se paga. “Esta é a melhor experiência da minha vida. A minha fé ficou ainda mais forte por estar aqui. Posso ajudar as pessoas. Posso ajudá-las a conhecer melhor Deus e, com isso, dou-lhes vida. Esta é a melhor coisa que poderia ter acontecido comigo.” Numa região remota no sul da Etiópia, um padre nigeriano está a revolucionar a vida dos Borana e é, também por isso, um homem feliz.

Paulo Aido | www.fundacao-ais.pt

Partilhar:
Share