D. António Luciano assinala dois anos de entrada solene na diocese

Foto: Jornal da Beira

Viseu, 24 jul 2020 (Ecclesia) – O bispo de Viseu, D. António Luciano, defendeu uma resposta de “esperança” para a pandemia, que afeta a Igreja e as suas comunidades, numa mensagem por ocasião dos dois anos da sua entrada solene na diocese (22 de julho de 2018).

“Reconheço que estamos a viver em tempos complexos, diferentes, de pandemia e que a vida não é fácil para ninguém, nem para a Igreja, nem para a sociedade, mas vivo na esperança de um futuro renovado, apesar de termos um mundo mergulhado numa crise económica sem precedentes, numa crise de falta de emprego sem solução à vista e falta de solidificação das famílias e das suas necessidades básicas para viver uma com dignidade”, escreve D. António Luciano.

O texto, divulgado online no sítio da Diocese de Viseu, admite “receios e medo”, apelando à superação de uma “fase de desconfiança de tudo e em todos”.

“É preciso dar esperança às pessoas e razões de viver. Aqui a missão da Igreja e dos seus agentes pastorais e a dimensão da fé dos cristãos é indispensável para renovar a Igreja e trazer de novo uma filosofia sólida de valores à sociedade”, aponta o bispo diocesano.

D. António Luciano, a Diocese de Viseu tem “um povo que ama a Igreja, os seus pastores e tem desejos de renovação eclesial e formação cristã”.

“Tem sido um trabalho gratificante e que eu espero que o novo plano pastoral diocesano ajude a renovar a vida da pessoa humana e das nossas comunidades”, acrescenta.

Para o futuro, o responsável católico deseja “mais vocações para a vida da Igreja e sacerdotais, leigos mais missionários e empenhados na vida da renovação da Igreja e cristãos e pessoas de boa vontade empenhadas na partilha e na solidariedade efetiva para com os pobres e mais necessitados”.

“Que o Bom Pastor, a Santíssima Virgem, Mãe da Igreja, São Teotónio, Beata Rita Amada de Jesus e São Frei Gil nos ajudem nesta etapa importante da caminhada de reconstrução da Igreja Diocesana neste período de pandemia e futuro próximo”, conclui.

Esta quinta-feira, D. António Luciano presidiu à Missa do aniversário da Dedicação da Catedral de Santa Maria, Diocese de Viseu.

“Queremos ser uma Igreja empenhada na evangelização, no testemunho da fé, na esperança nas famílias, no acompanhamento dos jovens, na promoção de novas vocações e na constante renovação de um plano pastoral que dê esperança às pessoas”, referiu, na homilia da celebração, enviada hoje à Agência ECCLESIA.

O bispo de Viseu pediu uma “Igreja em saída de uma situação de isolamento e individualismo para uma Igreja de comunhão, de conversão, de partilha e de solidariedade”.

OC

Partilhar:
Share