D. Francisco Senra Coelho presidiu a Missa no santuário nacional

Vila Viçosa, 08 dez 2021 (Ecclesia) – O arcebispo de Évora presidiu hoje à solenidade da Imaculada Conceição no santuário nacional de Vila Viçosa, destacando a ligação desta data à história portuguesa.

“Portugal antecipou-se profeticamente à Igreja Universal quando há 375 anos o nosso Rei Dom João IV proclamou Nossa Senhora da Conceição, venerada aqui, em Vila Viçosa, Padroeira de Portugal, nas Cortes, a 25 de março de 1646. Já depois da morte do Monarca, o Papa Clemente X confirmou a 8 de maio de 1671 Nossa Senhora da Conceição como Padroeira e Rainha de Portugal, pela Bula Eximia Dilectissimi”, recordou, na sua homilia.

O dogma da Imaculada Conceição foi definido solenemente pelo Papa Pio IX a 8 de dezembro de 1854, na Bula “Inefabilis Deus”

“Quem quiser encontrar um modelo para a sua vivência eclesial tem em Maria a referência maior e o auxílio supremo. É que Maria pertence à Igreja, verdade que nem sempre parece ser valorizada. Ela faz parte do mesmo povo que nós. É o membro mais eminente da Igreja, mas não está fora dela”, assinalou D. Francisco Senra Coelho.

O responsável católico indicou a importância de conservar esta ligação histórica, afirmando que “as nações sobrevivem à erosão do tempo e permanecem vivas na história dos povos se prosseguirem na fecundidade que lhes vem da sua espiritualidade e da sua cultura”.

“A diluição espiritual e cultural de um povo significará inevitavelmente a perda da sua identidade e a sua fusão num hoje sem futuro”, advertiu.

A homilia aludiu a dois “momentos altos” ligados à recuperação da independência de Portugal, a revolução de 1383-1385 e a restauração de 1640, e às figuras de D. Nuno Alvares Pereira e D. João IV.

“A Solenidade da Imaculada Conceição liga estes dois acontecimentos decisivos na História da independência de Portugal e no contexto das nações europeias. Segundo secular tradição foi o condestável D. Nuno Alvares Pereira quem restaurou o templo em louvor  de Nossa Senhora do Castelo em Vila Viçosa e quem ofereceu a imagem da Virgem Padroeira, adquirida na Inglaterra”, explicou.

“A espiritualidade que brotava da devoção a Nossa Senhora da Conceição foi novamente sublinhada no gesto que D. João IV assumiu como já dissemos ao coroar a Imagem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa como Rainha de Portugal nas cortes de 1646, há 375 anos”, acrescentou.

Este aniversário é celebrado num ano jubilar, com indulgência plenária concedida pelo Papa Francisco.

No final da Missa, o arcebispo de Évora é condecorado pelo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, almirante António Silva Ribeiro.

Esta tarde, pelas 15h00, decorre a procissão em honra da padroeira de Portugal, percorrendo as ruas de Vila Viçosa, seguindo-se a Eucaristia presidida por D. Rui Valério, bispo das Forças Armadas e de Segurança.

OC

Partilhar:
Share