“Um pastor com cheiro a ovelha”, disse D. Manuel Linda

Foto DR

Vila Real, 18 Out 2021 (Ecclesia) – A Diocese de Vila Real, ao entrar no segundo ano do triénio de comemoração do centenário, retomou as tertúlias mensais, que vão decorrer de outubro a junho, e no dia 15 deste mês foi evocada a figura de D. António Cardoso Cunha, “um pastor com cheiro a ovelha”.

No auditório municipal do Peso da Régua, com a presença do bispo do Porto, D. Manuel Linda, foi evocada a figura de D. António Cardoso Cunha, bispo de Vila Real entre 1967 e 1991.

Ao longo de quase 25 anos, logo depois do Concílio Vaticano II, o terceiro bispo de Vila Real teve a “grande missão de implementar as reformas conciliares nesta diocese jovem que celebrava os seus 50 anos (1972)”.

O atual bispo do Porto, que foi ordenado sacerdote por D. António Cardoso Cunha e reitor do Seminário de Vila Real por ele nomeado, partilhou o seu testemunho sobre a “personalidade humana e episcopal deste grande bispo que marcou padres e leigos, a Igreja e a sociedade civil vilarealense”, lê-se na nota enviada à Agência ECCLESIA.

O terceiro Bispo de Vila Real era dotado de “uma grande sensibilidade humana” e profundo conhecedor da história e das tradições locais”, mas também tinha “um sentido prático da vida e não concebia a dimensão religiosa à parte de outras dimensões da vida como a família, a economia ou as tradições”.

O segundo traço da personalidade episcopal que lhe apontou e o mais marcante para a vida pastoral da diocese nesses tempos pós-concílio foi a procura de valorização humana, cultural e social do clero.

“Procurou dar maior consistência à formação teológica dos seminaristas e fundou, juntamente com o Bispo do Porto e o abade dos Beneditinos, o Instituto Superior de Ciências Humanas e Teológicas, no Porto, para onde mandou os alunos de Vila Real frequentar o Curso de Teologia a partir de 1968”.

Formado no âmbito da História da Igreja, com “contactos e amizades por toda a Europa”, nomeadamente com o episcopado alemão, D. António Cardoso Cunha estava “atento às mutações sociais que iam acontecendo, sem as estigmatizar ou dogmatizar atitudes pastorais”.

Homem de diálogo, próximo, acreditava na autonomia dos leigos e promovia “um bom relacionamento com o mundo.

D. Manuel Linda concluiu estes traços da personalidade de D. António Cardoso Cunha, atribuindo-lhe as palavras do papa Francisco “um pastor com cheiro a ovelha”

A próxima tertúlia está marcada para sexta-feira, dia 12 de novembro, às 21h00, no auditório do Seminário de Vila Real e será sobre esta instituição, também quase centenária, e contará com a presença de um antigo aluno, o Cor. Dias Vieira, um padre novo, o padre Vítor Pereira e o Cardeal D. António Marto.

LFS

Partilhar:
Share