D. António Luciano destacou «celebração festiva e de esperança», pela nova fase de desconfinamento social

Foto: Diocese de Viseu

Viseu, 02 jun 2020 (Ecclesia) – O bispo de Viseu presidiu este domingo à celebração das Bodas de Ouro que comemorou a presença da Ordem das Irmãs Concepcionistas da Imaculada Conceição – Convento de Santa Beatriz – na diocese, no dia que recomeçaram as celebrações com presença de fiéis.

“Hoje, é para nós um dia de alegria, uma celebração festiva e de esperança, pela qual damos graças a Deus juntos em Igreja pela fase de desconfinamento social que estamos a fazer para vencer os efeitos nefastos de tão grave pandemia”, disse D. António Luciano, na solenidade de Pentecostes.

Na homilia enviada hoje à Agência ECCLESIA, pela Diocese de Viseu, o seu bispo pediu aos fiéis para se aproximarem “do Espírito Santo” quando se sentirem e andarem “tristes, abatidos, com medo, inseguros, rodeados de sinais de morte e de pandemia”, “concretizando no dia-a-dia a relação com Deus pela fé”.

D. António Luciano afirmou “a alegria da fé, a oportunidade de celebrar em comunidade, de forma presencial, a Eucaristia, um dom de Deus concedido à Igreja”.

O bispo de Viseu  lembrou que o “acolhimento caloroso e festivo” feito às Irmãs Concepcionistas da Imaculada Conceição em Tourigo, no Concelho de Tondela, e a ereção canónica da nova comunidade aconteceram há cinquenta anos e, depois de terem “peregrinado” por vários lugares da diocese, “nasceu o Convento de Santa Beatriz”.

“A fundadora da Congregação destas Monjas de Clausura, Santa Beatriz, marcou profundamente as primeiras irmãs que vieram para o centro do país na Diocese de Viseu e inspirou-as com o dom profético. Aqui continuam a viver o seu carisma com fidelidade à oração e à contemplação, dando origem ao aparecimento de novas vocações para a Congregação e a Igreja. Através da sua vocação, missão e testemunho, temos recebido graça sobre graça”, desenvolveu.

Foto: Diocese de Viseu

O bispo de Viseu assinalou que as Irmãs Concepcionistas da Imaculada Conceição fazem “um oásis de oração, de contemplação, de silêncio e de louvor a Deus” e o seu convento torna-se “um para-raios de graças espirituais” para a diocese.

“As monjas rezam, pedem e suplicam a Deus graças para todos nós, imploram o dom da fortaleza ao Espírito Santo e com a proteção da Virgem Imaculada atraem do céu as graças sobrenaturais que a nossa diocese tanto necessita. Em nome da Igreja diocesana, quero agradecer a Deus o dom da vossa vocação contemplativa e imploro para cada uma o dom da contemplação, da santidade e da fidelidade na vocação”, acrescentou.

Na participaram também religiosas que vivem no Convento de Campo Maior, terra natal da fundadora da congregação Santa Beatriz, e da comunidade do Estoril.

CB/OC

Partilhar:
Share