O padre José Domingos Meira fala da aposta dos símbolos nos arciprestados e na criação de um conselho diocesano da juventude

Viana do Castelo, 26 jan 2021 (Ecclesia) – O padre José Domingos Meira, responsável pelo Comité Organizador Diocesano de Viana do Castelo, partilhou com a Agência ECCLESIA o caminho feito rumo à JMJ 2023, formando um conselho diocesano de juventude, levando os símbolos aos arciprestados e apostando este mês nas “Jorneiras”. 

“Estamos desde o primeiro momento entusiasmados mas as circunstâncias foram-nos moldando e vamos ajustando as datas e preparação, como em tudo na nossa vida, temos de nos adaptar bastante”, refere.

Dois anos depois do anúncio da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) 2023 ser em Lisboa, o sacerdote fala da importância da criação de um Conselho Diocesano de Juventude para alinhar o caminho. 

“O funcionamento de conselho diocesano para envolver toda a diocese, arciprestados, movimentos e comunidades; esta é uma das grandes ideias”, aponta.

Com várias participações nas JMJ o padre Meira, espera que “experiência ajude”, e que seja possível mobilizar toda a diocese. 

“Temos de dar a perceber que a JMJ em Portugal não é só para os jovens, é para as comunidades, para a Igreja, para todos, por isso há que preparar todo o caminho a fazer”, assume.

A diocese de Viana do Castelo recebeu a visita do COL, Comité Organizador Local, no passado dia 18 de dezembro, que significou “alento” para a equipa que arrancou com as iniciativas a 23 de dezembro. 

“A cruz, com o logo JMJ 2023, entregámos a todos os arciprestados, para que possam criar um espaço da JMJ ao nível arciprestal, onde se vão reunir para rezar ou outras atividades e promover o o dia JMJ, que acontece mensalmente a cada dia 23”, explica.

Este mês de janeiro e, devido às limitações impostas pela pandemia, o responsável conta que a iniciativa “Jorneiras” teve de ter uma reinvenção.

“Era a ideia de uma coisa típica, do cantar das janeiras, este ano não pode ser como manda a tradição, mas juntámos jornadas com janeiras e uma quadras próprias que explicam um pouco o que é a JMJ e uma forma de envolver a comunidade, assim fica online, mas esperemos que consigamos ir pelas casas nos próximos meses de janeiro”, deseja. 

O sacerdote destaca ainda uma realidade difícil da diocese que “aguarda com esperança” a nomeação de um bispo, “que una e reúna a igreja diocesana”, depois de D. Anacleto Oliveira ter falecido, em setembro de 2020.

Olhando o futuro o sacerdote fala do desafio que lançaram aos animadores de jovens para que consigam “voltar a criar, animar e reunir os grupos de jovens” no horizonte, para julho, está uma “atividade das dioceses do norte, o km 11”.

O programa ECCLESIA, na Antena 1 da rádio pública, apresenta de segunda a sexta-feira (22h45) um ciclo de conversas com jovens de vários dioceses, dois anos depois do anúncio da realização, em Lisboa, da próxima edição internacional da Jornada Mundial da Juventude.

SN

Partilhar:
Share