Com um calendário e uma carta que apresenta o tema «Jovem! Levanta-te e vamos (em situação de pandemia)» assinada por D. Anacleto Oliveira, começou um triénio dedicado à pastoral juvenil no Alto Minho

Viana do Castelo, 03 out 2020 (Ecclesia) – A Diocese de Viana do Castelo apresentou hoje o calendário de atividades para o novo ano e a Carta Pastoral, ainda assinada por D. Anacleto Oliveira, que faleceu inesperadamente no dia 18 de setembro, sobre o tema da juventude.

“Jovem! Levanta-te e vamos (em situação de pandemia)” é o tema do Ano Pastoral 2020/2021 na Diocese de Viana do Castelo, que inicia triénio dedicado à pastoral juvenil, com vista a uma preparação das Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023.

O padre Vasco Gonçalves, antigo secretário de D. Anacleto Oliveira, apresentou a Carta Pastoral para o novo Ano Pastoral, destacando o relevo de Maria, ao longo do texto.

“Retomando o texto da assunção, lema da JMJ do Panamá, a carta de D. Anacleto, faz a ponte com o texto da visitação, lema da JMJ de Lisboa”, afirmou.

Foto Diocese de Viana do Castelo

O padre Vasco Gonçalves salientou que o primeiro ano do triénio de preparação para a JMJ Lisboa 2023 vai ser dedicado à descoberta e redescoberta de vocação cristã de cada um(a), como referia D. Anacleto Oliveira no início da Casta Partoral.

Na Carta Pastoral do antigo bispo de Viana do Castelo, que faleceu na sequência de um acidente de automóvel, refere-se a mudança de paradigma da pastoral catequética e juvenil e a necessidade da inserção comunitária dos jovens e do recurso aos seus ambientes como modo de evangelização.

“Os jovens são, muitas vezes, os melhores evangelizadores de outros jovens”, lembrou o padre Vasco Gonçalves na apresentação da Carta Pastoral de D. Anacleto Oliveira.

O lançamento do novo Ano Pastoral na Diocese de Viana do Castelo decorreu no Centro Paulo VI, na presença do clero diocesano e dos representantes dos vários movimentos e departamentos da pastoral.

No início da sessão, o administrador diocesano da Diocese de Viana do Castelo, monsenhor Sebastião Pires Ferreira, lembrou a situação de luto da Igreja diocesana, sem esquecer a “porta grande da esperança” que querem ter presente.

“Vamos lançar o ano pastoral, para que a Diocese não pare e, ultrapassando as atuais circunstâncias, esteja verdadeiramente unida, quando nos for dado o sucessor de D. Anacleto”, afirmou monsenhor Sebastião Pires Ferreira.

PR

Partilhar:
Share