Padre Sobrinho Alves, Diocese de Bragança-Miranda

O que é isso da verdade?
O que interessa é o poder…
Este é o critério supremo
deste mundo que habitamos
desta “civitas terrena” como dizia Santo Agostinho.
O que interessa mesmo é o Poder;
mesmo se fabricado à custa da Mentira.
Ao sedento de poder não interessa a Verdade.
Interessa apenas instalar-se no pedestal.
O que é a verdade?
disse Pilatos a Jesus
como querendo dizer:
Que me interessa isso a mim?
Eu tenho é que permanecer no meu “lugar”.
Estar a bem com César e com o Sinédrio;
com a Roma Imperial e com a Religião oficial do Templo dos Sumos Sacerdotes.
Que me interessa a mim que Jesus seja crucificado?
E lavou as mãos…
Diríamos nós: garantiu o seu “poder”.
Condenar um inocente não é problema,
desde que o “meu” poder não seja posto em causa.
Solte-se Barrabás…
Para não perder o “meu” Poder.
Foi assim no tempo de Pôncio Pilatos,
é assim neste nosso tempo de tantas convulsões sombrias…
A mentira corre nos corredores do poder
e o que era verdade antes de abrir a porta
já o não é depois da porta fechada.
E entretanto, já aterramos em Marte,
já fabricamos a vacina contra a Covid-19,
mas ainda não expulsamos a Mentira do nosso
quotidiano existencial, do nosso modus vivendi.
Mentiras e meias verdades pululam por aí aos montes.
Pena que não haja vacinas para elas!
São precisos critérios éticos para o que fazemos e dizemos.
A “cultura da mentira”
é o vírus mais lancinante e mortífero que existe.
E como esse submundo cresce por causa do poder!!!
É que nem todos querem ir no mesmo barco
como pede o Papa Francisco.
Uns preferem ir de iate,
outros de cruzeiro,
outros de navio comercial,
outros ainda de barco à vela,
e outros têm que ir de “jangada”…
Que é o que lhes resta
para não serem engolidos pela “tempestade”.
Já inventamos o tele-trabalho.
Precisamos agora de gerar tele-proximidade.
Pilatos disse a Jesus:
Tenho liberdade de te soltar ou condenar…
Já Protágoras, na Antiga Grécia,
ensinava:
“O homem é a medida de todas as coisas”.
Ou seja:
Cada um fabrica a verdade ao seu jeito e ao seu modo,
conforme as conveniências.
É a este mundo sofista
que nos querem fazer regressar.
Esta é uma filosofia perversa
que nos levará
à primazia do poder sobre a verdade:
Apenas o Poder tem valor.
Nós cristãos sabemos
que o “reino deste mundo”
tudo fará para que a história
não ultrapasse a manhã de sexta-feira santa;
mas também o “reino deste mundo” tem de saber
que não há pedra tão pesada
que não possa ser removida em qualquer manhã. (Tomas Halik)
Conhecereis a VERDADE e a verdade vos libertará (Jo 8,32)

Pe. Sobrinho Alves

Partilhar:
Share