Francisco elogia compromisso dos católicos em favor da vida humana, «desde a conceção até a morte natural»

Foto: Lusa/EPA

Cidade do Vaticano, 27 out 2021 (Ecclesia) – O Papa apelou hoje no Vaticano à defesa das crianças por nascer, associando-se a uma iniciativa da fundação polaca “Sim à vida”.

“Abençoei os sinos que se chamam ‘A voz do nascituro’. Têm como destino o Equador e a Ucrânia. Que sejam para essas nações e para todos um sinal de compromisso, em favor da defesa da vida humana desde a conceção até a morte natural”, disse, durante a audiência pública semanal, que decorreu no Auditório Paulo VI.

Francisco deixou votos de que estes sinos “anunciem ao mundo o ‘Evangelho da vida’, despertando a consciência dos homens e a memória dos nascituros”.

“Confio à vossa oração cada criança concebida, cuja vida é sagrada e inviolável”, acrescentou.

A catequese semanal prosseguiu o ciclo de reflexões sobre a Carta de São Paulo aos Gálatas, sublinhando a centralidade da pessoa de Jesus na fé cristã.

“Ainda hoje, muitos procuram seguranças religiosas em vez do Deus vivo e verdadeiro, concentrando-se em rituais e preceitos em vez de abraçar o Deus do amor com todo o seu ser. Esta é a tentação dos novos fundamentalistas”, advertiu.

O Papa falou da “liberdade” do Espírito Santo que muda o coração de cada católico e “guia a Igreja”, para lá de “mandamentos e preceitos”.

“A beleza da fé em Jesus Cristo não pode ser apreendida com base em demasiados mandamentos e numa visão moral que, desenvolvendo-se em muitas correntes, pode fazer-nos esquecer a fecundidade original do amor”, apontou.

Francisco questionou ainda o que chamou de “burocracia” na celebração dos sacramentos, que “impede o acesso à graça do Espírito, autor da conversão do coração”.

Foto: Lusa/EPA

O encontro deixou uma saudação aos peregrinos de língua portuguesa.

“Quando o Filho de Deus veio para o meio de nós, encontrou disponível o coração da Virgem Imaculada. Ela vivia como todas as mulheres do seu tempo, mas, na vida simples de cada dia, estava à disposição do Senhor. Peçamos ao Espírito Santo o dom da docilidade à vontade de Deus”, declarou.

O Papa assinalou ainda o final do mês missionário, que se celebra em outubro.

“Por intercessão da Bem-aventurada Nossa Senhora do Rosário, pedimos a graça de sermos habitados pelo Espírito de amor, paz e alegria, para fazer nossas as alegrias e sofrimentos, desejos e anseios da humanidade”, concluiu.

OC

Partilhar:
Share