Francisco pede que todos tenham «uma consciência reta, transparente»

 

Cidade do Vaticano, 04 abr 2020 (Ecclesia) – O Papa Francisco afirmou hoje que em momentos “de desconforto, de dificuldades, de dor”, como a atual pandemia Covid-19, muitas vezes as pessoas fazem “muitas coisas boas” mas também há quem tenha ideias “de aproveitar para obter lucro”.

“Rezemos hoje para que o Senhor dê a todos uma consciência reta, uma consciência transparente, que possa mostrar-se a Deus sem envergonhar-se”, disse Francisco, no início da Missa este sábado, no Vaticano.

Na capela da Casa Santa Marta, o Papa explicou que nestes momentos “de desconforto, de dificuldades, de dor” como o originado pela pandemia do coronavírus Covid-19 “muitas vezes as pessoas veem a possibilidade de fazer muitas coisas boas” mas “não deixa de vir a alguém a ideia não muito boa” de aproveitar para si esta situação e “obter lucro”.

Na homilia, Francisco comentou o Evangelho de São João que relata a decisão do Sinédrio matar Jesus após o sinal de ressurreição de Lázaro e explicou que “já há muito que os doutores da Lei, também os sumos-sacerdotes, estavam inquietos porque ocorriam coisas estanhas na região”.

“Foi um processo, um processo que começou com pequenas inquietações no tempo de João Batista e depois acabou nesta reunião dos doutores da Lei e dos sacerdotes. Um processo que crescia, um processo que era mais seguro da decisão que deviam tomar, mas ninguém a tinha dito assim de forma clara: ‘Este deve ser eliminado’”, explicou.

O Papa assinalou que o modo de “fazer dos doutores da Lei é uma figura”, como a tentação age e “por trás dela evidentemente estava o diabo que queria destruir Jesus”.

“A tentação geralmente age deste modo em nós, começa com pouca coisa, com um desejo, uma ideia, cresce, contagia e no final se justifica. Esses são os três passos da tentação do diabo em nós e aqui estão os três passos que a tentação do diabo fez  na pessoa do doutor da Lei”, desenvolveu, observando que todas quando “vencidos pela tentação” ficam “tranquilos”, porque encontram “uma justificação para este pecado, para esta vida não segundo a Lei de Deus”.

“O diabo é astuto. E sabe tomar esse caminho, o mesmo que tomou para chegar à condenação de Jesus. Quando nós nos encontramos num pecado, numa queda, sim, devemos ir pedir perdão ao Senhor; A vida de Jesus é sempre um exemplo para nós e as coisas que aconteceram com Jesus são coisas que acontecerão connosco”, acrescentou.

O sítio online ‘Vatican News’ informa que o Papa Francisco terminou a Eucaristia na capela da Casa Santa Marta com a adoração e a bênção eucarística, convidando a fazer a Comunhão espiritual, e recitou a oração:

“Meu Jesus, eu creio que estais presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Amo-vos sobre todas as coisas, e minha alma suspira por Vós. Mas, como não posso receber-Vos agora no Santíssimo Sacramento, vinde, ao menos espiritualmente, a meu coração. Abraço-me convosco como se já estivésseis comigo: uno-me Convosco inteiramente. Ah! não permitais que torne a separar-me de Vós!”

CB

 

Partilhar:
Share