Francisco fala na importância da «fraternidade» na relação entre cristãos e muçulmanos

Foto: Lusa

Cidade do Vaticano, 03 abr 2019 (Ecclesia) – O Papa Francisco renovou hoje no Vaticano o apelo pela paz em Jerusalém, recordando a declaração conjunta que assinou este sábado com o rei de Marrocos, Mohammed VI.

“Reiteramos que as religiões são essenciais para defender a dignidade humana, promover a paz e o cuidado com a criação. De forma conjunta, fizemos um apelo por Jerusalém, para que seja preservada como património da humanidade e lugar de encontro pacífico”, declarou, na audiência pública semanal.

Perante milhares de peregrinos reunidos no Vaticano, o Papa falou sobre a sua viagem a Marrocos, entre sábado e domingo, colocando a visita nos passos do histórico encontro de São Francisco de Assis com o sultão al-Malil al-Kamil, há 800 anos, e da deslocação de São João Paulo II ao país africano, em 1985.

Francisco admitiu que muitos podem questionar esta sua atenção ao mundo islâmico ou até mesmo perguntar “porque é que Deus permite que haja tantas religiões”.

O pontífice católico sublinhou que as várias religiões “olham sempre para o Céu” e que “aquilo que Deus quer é a fraternidade” entre todos os crentes, falando caso dos muçulmanos, “filhos de Abraão”, como irmãos dos cristãos.

“Servir a esperança, num tempo como o nosso, significa acima de tudo construir pontes entre civilizações”, acrescentou.

O Papa elogiou o trabalho desenvolvido em Marrocos na formação de líderes que promovam “um Islão respeitador das outras religiões, que recusa a violência e o fundamentalismo”.

“Somos todos irmãos e temos de trabalhar pela fraternidade”, apelou.

A respeito de uma viagem em que foram abordadas as várias questões ligadas às migrações, Francisco confessou que prefere falar em “pessoas migrantes” e não só em “migrantes”, como uma forma maior de “respeito” por elas.

“Usamos muitos adjetivos e, muitas vezes, esquecemo-nos do substantivo, isto é, da substância”, lamentou.

Em Marrocos, disse ainda, celebrou Missa com milhares de pessoas da pequena comunidade católica (0,07% da população), de cerca de 60 nacionalidades, no que classificou como “uma singular epifania do Povo de Deus no coração de um país islâmico”.

A audiência geral contou com várias saudações aos peregrinos e grupos que se deslocaram ao Vaticano, incluindo os de língua portuguesa: “Que esta peregrinação seja para vós uma oportunidade para contemplar a beleza da fé e da união com Cristo, para viver plenamente a vossa vocação cristã como testemunhas da esperança no mundo”.

Antes de despedir-se, o Papa evocou o tempo da Quaresma, com que os católicos se preparam para a Páscoa, desejando que o mesmo “favoreça a reaproximação a Deus” e uma redescoberta da “importância da fé na vida diária”, concretizada na resposta às “necessidades de quem passa por dificuldades”.

OC

Papa: "Deus quer a fraternidade entre nós e os muçulmanos"

Por que o Papa encontra os muçulmanos e não só os católicos? Por que existem tantas religiões?Francisco respondeu a essas perguntas na Audiência Geral de hoje ao recordar sua recente viagem ao Marrocos."Não devemos temer a diferença: Deus permitiu isso. Mas devemos temer se não fizermos esforços de fraternidade, de caminhar juntos na vida."

Publicado por Vatican News em Quarta-feira, 3 de abril de 2019

Partilhar:
Share