Francisco recebeu participantes em conferência internacional contra o antissemitismo

Cidade do Vaticano, 29 jan 2018 (Ecclesia) – O Papa Francisco recordou hoje o “silêncio ensurdecedor” do campo de concentração nazi de Auschwitz, onde esteve em julho de 2016, considerando o mal como fruto da “indiferença”.

“Recordo este silêncio ensurdecedor de que me apercebi na minha visita a Auschwitz-Birkenau: um silêncio inquietante, que apenas deixa espaço para as lágrimas, à oração e ao pedido de perdão”, disse, ao receber no Vaticano os participantes numa conferência internacional contra o antissemitismo.

A iniciativa sobre a “luta contra o antissemitismo e os crimes ligados ao ódio antissemítico” decorre no ministério italiano dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional, em colaboração com a OSCE e responsáveis da comunidade judaica na Itália.

O Papa partiu da palavra “responsabilidade”, que mais do que analisar as causas da violência implica “estar prontos e ativos” na resposta.

“O inimigo contra quem lutar não é apenas o ódio, em todas as suas formas, mas, ainda mais na raiz, a indiferença; porque é a indiferença que paralisa e impede de fazer o que é justo”, precisou.

Francisco falou da indiferença como um “vírus” que contagia os dias de hoje, “tempos nos quais estamos cada vez mais ligados aos outros, mas cada vez menos atentos aos outros”.

O discurso evocou o episódio bíblico dos irmãos Caim e Abel, após o assassinato deste último.

“Caim, que tinha assassinado o irmão, não responde à pergunta [de Deus]”, referiu, “não lhe interesse o irmão”.

Segundo o Papa, é nesta indiferença que está “a raiz perversa, a raiz de morte que produz desespero e silêncio”.

O pontífice evocou o Dia da Memória, celebrado a 27 de janeiro, data de libertação do campo de Auschwitz-Birkenau, considerando que a memória “é a chave de acesso ao futuro”.

Francisco citou São João Paulo II para renovar os votos de que a “inenarrável iniquidade da Shoah nunca mais seja possível”.

OC

Partilhar:
Share