Francisco deixa pedido de «unidade» e de oração pela reconciliação no país asiático

Cidade do Vaticano, 16 mai 2021 (Ecclesia) – O Papa presidiu hoje a uma Missa na Basílica de São Pedro, com a comunidade birmanesa que reside em Roma, apelando ao fim da violência em Myanmar, “ferido pela violência, o conflito, a repressão”.

Francisco desafiou os católicos do país asiático a “não ceder à lógica do ódio e da vingança, mas ficar com o olhar voltado para o Deus do amor que nos chama a ser irmãos entre nós”.

O exército de Myanmar tomou o poder a 1 de fevereiro, desencadeando protestos de rua em massa por todo o país e uma repressão militar, que custou a vida de, pelo menos, 780 pessoas.

Na sua homilia, o Papa assinalou a necessidade de promover a “unidade”, face aos pequenos e grandes conflitos.

“Quando se sobrepõem os interesses partidários, a sede de lucro e poder, desencadeiam-se sempre confrontos e divisões”, advertiu.

Somos chamados a fazê-lo, também como Igreja: promovamos o diálogo, o respeito pelo outro, a custódia do irmão, a comunhão! Não deixemos entrar na Igreja a lógica dos partidos, a lógica que divide, que coloca cada um no centro, descartando os outros”.

A intervenção destacou a importância da oração, que ensina a “atravessar os momentos dramáticos e dolorosos da vida”.

Francisco disse aos participantes que é necessário “manter o olhar voltado para o céu, quando na terra se combate e derrama sangue inocente”.

“Não é uma fuga, um modo para escapar dos problemas. Pelo contrário, é a única arma que temos para guardar o amor e a esperança no meio de tantas armas que semeiam morte”, acrescentou.

O Papa referiu ainda que é necessário “guardar a verdade”, mesmo que “o preço a pagar seja o de ir contra a corrente”.

“Ser fiéis ao Evangelho e artesãos de paz onde há guerra, violência, ódio, significa comprometer-se, mesmo através das opções sociais e políticas, arriscando a vida”, precisou.

Queridos irmãos e irmãs, hoje quero depor sobre o altar do Senhor os sofrimentos do vosso povo e rezar convosco para que Deus converta os corações de todos à paz. Que a oração de Jesus nos ajude a guardar a fé, mesmo nos momentos difíceis, a ser construtores de unidade, a arriscar a vida pela verdade do Evangelho. Por favor, não percais a esperança”.

Segundo os dados mais recentes do Vaticano, 5% da população de Myanmar é cristã, com cerca de 700 mil católicos.

Em Roma, a comunidade birmanesa é constituída principalmente por estudantes e membros de institutos de Vida Consagrada.

OC

Na recitação da oração do Regina Caeli, desde a janela do apartamento pontifício, o Papa falou da solenidade da Ascensão, convidando os católicos a celebrar “alegria” de contar com o corpo humano de Jesus como intercessor, junto de Deus-Pai.“Pedimos a Maria, Rainha dos Céus, que nos ajude a ser no mundo corajosas testemunhas do Ressuscitado, nas situações concretas da vida”, disse.
Partilhar:
Share