Recitação do ângelus contou com participação de delegação de crianças e adolescentes da Ação Católica Romana

Cidade do Vaticano, 31 jan 2021 (Ecclesia) – O Papa disse hoje no Vaticano que Jesus é o “profeta definitivo”, que “salva e cura todos”, falando numa luta contra o mal que é retratada pelos Evangelhos.

“A pregação de Cristo visa derrotar o mal presente no homem e no mundo. A sua palavra aponta diretamente contra o reino de Satanás, coloca-o em crise e obriga-o recuar, forçando-o a deixar o mundo”, referiu, no encontro para a recitação do ângelus, que foi transmitido online a partir da biblioteca do Palácio Apostólico.

Francisco comentou uma passagem do primeiro capítulo do Evangelho segundo São Marcos, que narra “um dia típico do ministério de Jesus”, na Sinagoga de Cafarnaum.

“Mostra dois elementos característicos da ação de Jesus: a pregação e o trabalho taumatúrgico de cura. Prega e cura. Ambos os aspetos ressaltam na passagem do evangelista Marcos, mas o mais destacado é o da pregação; o exorcismo é apresentado para confirmar a autoridade singular de Jesus e do seu ensino”, observou.

O Papa destacou que Jesus tem a “autoridade divina”, porque ele é o “profeta definitivo”, que “tem uma doutrina que tira de si mesmo”.

“Não como escribas que repetem tradições anteriores e leis transmitidas. Repetiam palavras, palavras, palavras, só palavras”, acrescentou.

No final do encontro de oração, Francisco saudou os adolescentes e crianças da Ação Católica da Diocese de Roma (ACR), “reunidos em segurança, nas suas paróquias e colégios, online” no final da sua tradicional Caravana da Paz.

“Apesar da emergência sanitária, também este ano, com a ajuda de pais, educadores e sacerdotes, promoveram esta belíssima iniciativa”, disse.

Na biblioteca do Palácio Apostólico, quatro representantes da ACR leram uma mensagem, explicando o trabalho realizado nas últimas semanas, num “longo e feio período”, por causa da pandemia.

O lema da iniciativa foi ‘A paz é notícia’ e contou com uma dimensão solidária, para ajudar projetos internacionais de auxílio na emergência sanitária e para reforçar o fundo criado para pessoas desempregadas, em Roma.

O Papa desejou que, no próximo ano, seja possível proceder ao lançamento de balões coloridos, pela paz, gesto que habitualmente encerra a leitura da mensagem, desde a janela do apartamento pontifício.

OC

Partilhar:
Share