Papa Francisco decretou que a decisão não tem recurso

Cidade do Vaticano, 16 fev 2019 (Ecclesia) – A Congregação para a Doutrina da Fé concluiu o julgamento do ex-cardeal McCarrick, antigo arcebispo de Washington, acusado de abusos sexuais, condenando-o com a pena de “demissão do estado clerical”.

De acordo como “decreto final” do processo penal a Theodore Edgar McCarrick, publicado hoje pela Sala de Imprensa da Santa Sé, o Congresso da  Congregação para a Doutrina da Fé considera o antigo arcebispo de Washington culpado por “uso impróprio da confissão e violações do Sexto Mandamento do Decálogo com menores e adultos, com a agravante de abuso de poder”.

O Sexto Mandamento da Lei de de Deus, na doutrina da Igreja Católica, refere-se ao dever de “guardar castidade nas palavras e nas obras”.

O decreto final da Congregação para a Doutrina da Fé foi emitido após a sessão ordinária deste organismo da Santa Sé, que decorreu a 13 de fevereiro de 2019, onde foram “examinados os recursos apresentados” por Theodore Edgar McCarrick, tendo decidido confirmar a decisão do Congresso.

“Esta decisão foi notificada a Theodore McCarrick com a data de 15 de fevereiro de 2019”, acrescenta o comunicado.

“O Santo Padre reconheceu a natureza definitiva, de acordo com a lei, desta decisão, conferindo-lhe a natureza de ‘res iudicata’, isto é, não sujeita a recurso posterior”, conclui o comunicado da Sala de Imprensa da Santa Sé.

No dia 28 de julho de 2018, o Papa Francisco suspendeu do exercício público do ministério D. Theodore McCarrick, acusado de abusos sexuais, aceitando a sua renúncia como membro do Colégio Cardinalício.

A 25 do mês seguintes foi tornada pública uma carta do arcebispo Carlo Maria Viganò, antigo núncio nos EUA, onde acusava o Papa de ter encoberto denúncias de abusos sexuais cometidos por D. Theodore McCarrick, alegadamente punido, de forma secreta, pelo agora Papa emérito Bento XVI.

“Li esta manhã o comunicado de Viganò. Digo isto, sinceramente: leiam-no vocês, atentamente, e façam um juízo pessoal. Não direi uma palavra sobre isto, penso que o documento fala por si”, disse o Papa Francisco em conferência de imprensa no voo de regresso de Dublin, no dia 26 de agosto.

Em outubro do mesmo ano, Francisco determinou a realização de um “cuidadoso estudo” sobre “toda a documentação presente nos arquivos dos dicastérios e departamentos da Santa Sé” a respeito do ex-cardeal McCarrick.

Na ocasião, a Sala de Imprensa da Santa Sé enumerou o histórico dos factos, com origem em setembro de 2017, quando a arquidiocese de Nova Iorque “sinalizou que um homem acusava o então cardeal McCarrick de ter abusado dele nos anos 70”, levando o Papa a pedir uma investigação “prévia aprofundada”.

PR

Partilhar:
Share