Secretário de Estado e responsável pelo diálogo com os Estados defendem fim da violência, admitindo dificuldades

Foto: Lusa/EPA

Cidade do Vaticano, 23 mai 2022 (Ecclesias) – Os principais responsáveis da diplomacia da Santa Sé apelaram a negociações de paz entre a Ucrânia e a Rússia, para colocar fim ao conflito iniciado a 24 de fevereiro, com a invasão ordenada por Moscovo.

“Espero que as negociações sejam encaminhadas o mais rápido possível e que possamos finalmente alcançar a tão desejada paz”, disse este domingo o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, numa Missa a que presidiu na cidade italiana de Cássia.

O colaborador do Papa presidiu à festa de Santa Rita, conhecida como “santa das causas impossíveis e a advogada dos casos desesperados”, evocando as palavras de Francisco, “que não cessa de apelar diariamente para que acabe a inútil espiral da morte na Ucrânia”.

Já o secretário do Vaticano para as Relações com os Estados, D. Paul Richard Gallagher, concluiu este domingo uma visita à Ucrânia, iniciada na última quarta-feira, referindo ao portal ‘Vatican News que o Papa “pode continuar a desempenhar um papel muito significativo neste conflito e na sua resolução”.

“Parece-me muito claro que, infelizmente, é muito cedo para falar primeiro de paz e depois de reconciliação”, lamentou.

O responsável admite que a Ucrânia tem o direito de se defender e “deve receber ajuda, incluindo ajuda militar”.

“Insistimos sempre que deve haver uma certa proporcionalidade, porque recomeçar uma corrida armamentista, na Europa, no mundo, não é conveniente”, acrescentou.

O diplomata da Santa Sé destacou o “grande sofrimento” do povo ucraniano, elogiando o “trabalho humanitário e o apoio espiritual” desenvolvido pela Igreja Católica, no contexto da guerra.

OC

 

Partilhar:
Share