Papa Francisco impôs o pálio a D. Pierbattista Pizzaballa

Cidade do Vaticano, 29 out 2020 (Ecclesia) – O novo patriarca latino de Jerusalém alertou, numa mensagem divulgada pelo Vaticano, para “velhos e novos problemas” na região, que afetam a vida política e social, na economia e ensino.

“Há uma política míope, incapaz de visão e coragem, uma vida social cada vez mais fragmentada e dividida, uma economia que nos empobrece cada vez mais, e, por fim, esta pandemia, com a imposição de ritmos lentos e contrários à vida a que estávamos acostumados”, exemplifica D. Pierbattista Pizzaballa.

O novo patriarca recebeu esta quarta-feira o pálio – uma insígnia litúrgica e de honra -, que lhe foi imposto pelo Papa, numa cerimónia privada na Capela da Casa de Santa Marta, no Vaticano.

O responsável da Igreja Católica na Terra Santa alertou para uma “dificuldade crescente” nas escolas e nas comunidades eclesiais “às vezes tão frágeis”.

“Os passos e ritmos do homem devem ser outros, se quiser salvar-se a si mesmo e ao mundo”, acrescentou o religioso franciscano.

Na saudação aos fiéis de sua diocese, D. Pierbattista Pizzaballa recorda que com a nomeação como patriarca é-lhe pedido para “ficar” nesta região, quando pensava que estava a terminar o seu mandato na Terra Santa – era administrador apostólico do Patriarcado de Jerusalém dos Latinos desde 2016, funções assumidas “no final de mandato como Custódio da Terra Santa”.

O pálio abençoado pelo Papa Francisco é uma insígnia litúrgica de honra e jurisdição da Igreja Católica: a faixa de lã branca, com seis cruzes negras de seda, é feita com a lã de dois cordeiros brancos benzidos pelos Papas na memória litúrgica de Santa Inês, a 21 de janeiro, e simboliza o Bom Pastor que leva nos ombros o cordeiro até dar a sua própria vida, como recordam as cruzes negras bordadas.

O portal ‘Vatican News’ informa que com um “rito simples e sóbrio, mas muito simbólico”, o Papa recitou  Pai-Nosso com o novo patriarca e confiou a sua missão “com a Ave-Maria, à Mãe de Deus”, numa cerimónia onde estavam o subsecretário da Congregação para as Igrejas Orientais da Santa Sé, padre Flavio Pace, alguns representantes do Patriarcado Latino de Jerusalém e da Ordem dos Frades Menores (Franciscanos).

O pálio é envergado pelos arcebispos metropolitas nas suas dioceses e nas da sua província eclesiástica, um sistema administrativo que veio da divisão civil do Império Romano, depois da paz de Constantino (313); em Portugal há três províncias eclesiásticas: Braga, Lisboa e Évora.

CB/OC

Partilhar:
Share