Lisboa, 17 abr 2019 (Ecclesia) – A União das Misericórdias Portuguesas (UMP) alertou hoje para a urgência de negociar o compromisso de cooperação para o biénio 2019-2020, afirmando que o atual atraso “está a colocar em causa a sustentabilidade” das instituições.

“Perante o panorama financeiro que as Misericórdias vivem, a problemática da sustentabilidade, não só para continuarem a garantir respostas sociais eficientes à população, mas também para poderem remunerar justamente os seus recursos humanos”, assinala um comunicado enviado esta tarde à Agência ECCLESIA.

O tema esteve em debate na última assembleia-geral da União das Misericórdias.

Considerando que a comparticipação pública para a maioria das respostas sociais se situa na faixa inferior dos 40% do custo dessa mesma resposta social, os provedores “foram unânimes em considerar que é urgente inverter este desajustamento sob pena de se colocar em causa a viabilidade da ação social”.

O presidente da UMP, Manuel de Lemos, recebeu um voto de confiança dos provedores das Santas Casas para conduzir a negociação do compromisso de cooperação com o Estado com base nesses pressupostos.

OC

Partilhar:
Share