Movimento mundial assinala que organizações de trabalhadores e os sindicatos «devem lutar pela justiça social»

Lisboa, 03 out 2021 (Ecclesia) – O Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos (MMTC) alertou para um “retrocesso provocado pela negação dos direitos laborais” e “a violação dos direitos humanos”, na mensagem para o próximo Dia Internacional pelo Trabalho Digno.

“A perspetiva do ‘trabalho digno’ resume as aspirações das pessoas na sua vida laboral, implica oportunidades de trabalho produtivo ao proporcionar um salário justo”, explica o MMTC, num texto enviado à Agência ECCLESIA pela Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Católicos (LOC/MTC) de Portugal.

A nota destaca a necessidade de segurança no lugar de trabalho e “proteção social para as famílias”, liberdade para que as pessoas “expressem as suas preocupações”, se organizem e participem nas decisões.

Na mensagem para o Dia Internacional pelo Trabalho Digno 2021, que se assinala a 7 de outubro, o Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos alerta para a deterioração da democracia, “a violação dos direitos humanos” e a negação da justiça social, a rejeição do pluralismo, “o fomento do ódio político e a manutenção do fundamentalismo”.

O Movimento Operário Cristão da Índia, que assina a mensagem, explica que o crescimento sustentável “requer boa saúde, boa nutrição e uma boa educação”, que pode promover a transição de atividades de” baixa produtividade e sustento para trabalhos dignos e altamente produtivos”, e da economia informal à economia formal.

“Uma segurança social adequada fomenta o investimento em capital humano tanto para os empregadores como para os trabalhadores”; assinala o texto.

Os trabalhadores cristãos indicam que para a legislação integral de proteção social evoluir “é necessário garantir uma rede de proteção social mínima” para todos os trabalhadores, e fatores como a “despesa social, a tributação progressiva e o funcionamento dos direitos laborais” devem ser essenciais para medir o compromisso do governo em “promover a equidade e reduzir as desigualdades”.

A mensagem recorda que o Banco Mundial advertiu que a pandemia de Covid-19 criou uma “nova geração de pobreza e mal-estar” por causa da dívida, enquanto o Fundo Monetário Internacional (FMI) indicou que os países em desenvolvimento “corriam o risco de retroceder uma década”.

O vírus aumentou também as diferenças dos salários ou de riqueza em função da classe, raça e género e as mulheres foram “bastante afetadas”, a sua a participação na população ativa caiu para níveis mais baixos desde meados dos anos 80.

O Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos foi criado em 1966 e reúne mais de 70 organizações espalhadas por quatro continentes; A Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Católicos (LOC/MTC) é membro fundador do MMTC.

No âmbito da Jornada Internacional pelo Trabalho Digno 2021 a LOC/MTC Portugal vai promover a videoconferência ‘trabalhar e ser pobre não é digno’, a partir das 21h00, do dia 7, na plataforma Zoom.

CB/OC

Partilhar:
Share