Proximidade a «Deus, ao bispo, aos padres e ao povo de Deus» são caminho para a «beleza sacerdotal»

Cidade do Vaticano, 09 dez 2019 (Ecclesia) – O Papa Francisco indicou hoje aos jovens do Seminário Pontifício Regional Flamínio de Bolonha «Bento XV», recebidos em audiência, que a instituição formativa deve ser “casa de oração, casa de estudo e casa de comunhão”.

“O Seminário é antes de tudo a casa da oração, onde o Senhor ainda convoca os ‘seus’ para um lugar ‘apartado’ para viver uma experiência forte de encontro e de escuta”, afirmou o Papa, indicando que o sacerdote cultiva a fé “com uma relação pessoal, coração a coração, com a pessoa de Jesus”.

O estudo, a segunda característica do Seminário, é um “instrumento privilegiado” para um “conhecimento sapiencial e científico”, que pode contribuir para “a formação dos futuros presbíteros” em ordem a uma “missão comum”.

O Seminário foi ainda apresentado como casa de comunhão, onde a “capacidade de escuta e de diálogo” se pratica e se forma “a comunhão presbiteral em torno do Bispo” e sob sua orientação.

“A caridade pastoral do padre não pode ser acreditável se não for precedida e acompanhada pela fraternidade, primeiro entre os seminaristas e depois entre os presbíteros”, sublinha.

Francisco falou ainda da proximidade, cultivada em quatro vertentes, como fundamentais para a “beleza do sacerdócio”: “próximos a Deus na oração; próximos ao bispo; dos presbíteros; e ao povo de Deus”.

“Por favor, não esqueçam de onde vocês vieram”, reiterou.

A instituição formativa desenha-se como um “caminho que educa os candidatos a avaliar todas suas ações”, referenciadas “a Cristo” e que o sentido de pertença ao “presbitério” deve conduzir a um “agir pastoral” e a um “testemunho de comunhão”, condições “indispensáveis para servir de modo eficiente o mistério da Igreja e a sua missão no mundo”.

LS

Partilhar:
Share