Crianças da República Centro-Africana estavam unidas pela cabeça

Cidade do Vaticano, 08 jul 2020 (Ecclesia) – O Hospital pediátrico da Santa Sé, ‘Bambino Gesù’, comunicou esta terça-feira ter realizado com sucesso uma operação para separar gémeas siamesas unidas pela cabeça.

Ervina e Prefina, com 2 anos de idade, são naturais da República Centro-Africana e partilhavam grande parte do sistema nervoso e vascular.

Esta foi a primeira operação do tipo realizada na Itália, após com mais de um ano de estudos e três fases cirúrgicas.

A separação final foi realizada no dia 5 de junhoe psemanas depois as crianças puderam festejar seu segundo aniversário de vida.

O médico Carlo Efisio Marras, responsável pelo Departamento de Neurocirurgia do hospital romano, fala de um caso “muito raro” e desafiante.

“O nosso objetivo era muito ambicioso: salvar as duas meninas e em perfeitas condições”, assinalou, em declarações ao portal ‘Vatican News’.

A mãe das meninas deixou um agradecimento especial ao Papa “pelo que fez e continua a fazer” pelas crianças de Bangui e confessou um desejo: que as suas filhas possam ser batizadas por Francisco.

Foi no hospital fundado pelo Papa Francisco em Bangui, capital da República Centro-Africana, que Mariella Enoc, diretora do Hospital ‘Bambino Gesù’, conheceu as gémeas recém-nascidas.

OC

Partilhar:
Share