Residência do arcebispo de Kinshasa foi alvo de atos de vandalismo

Lisboa, 03 ago 2021 (Ecclesia) – Os bispos da República Democrática do Congo (RDC) condenaram em comunicado uma série de ataques contra o arcebispo de Kinshasa, cardeal Fridolin Ambongo, falando de “atos abomináveis”.

O portal de notícias do Vaticano divulga a tomada de posição da Conferência Episcopal Nacional do Congo (CENCO), depois de, no último domingo, a residência do cardeal Ambongo ter sido alvo de atos de vandalismo, por parte de um grupo de jovens não identificados.

O arcebispo congolês fora criticado, no dia anterior, pelo secretário-geral da União para a Democracia e o Progresso Social, Augustin Kabuya.

O líder político do partido no Governo acusava responsáveis da CENCO de querer “politizar” a Igreja, face às divergências na reorganização da Comissão Eleitoral Nacional Independente, em vista das eleições presidenciais de 2023.

A Conferência Episcopal Congolesa fala de um “comportamento irresponsável”, convidando os fiéis a permanecerem “extremamente vigilantes” e a não se deixarem “influenciar por ninguém”.

Os bispos denunciam atos de vandalismo, profanações e roubos de objetos sagrados que se verificaram nos últimos quatro meses, contra várias igrejas e lugares de culto.

A CENCO fala num “grave ataque à liberdade de religião e expressão, mas também uma violação da democracia”.

OC

Partilhar:
Share