Editora religiosa faz avaliação positiva da iniciativa

Lisboa, 20 nov 2013 (Ecclesia) – O irmão Darlei Zanon, editor da Paulus, fez um balçanço positivo do número e importância das publicações associadas ao Ano da Fé, que termina este domingo, e da recetividade destas edições junto dos leitores.

“O Ano da Fé foi muito rico a nível editorial e penso que foi bastante interessante contribuir com a Igreja para ajudar a refletir e ajudar na catequese. A Paulus Editora desde a convocação do Ano da Fé decidiu que era uma prioridade”, revelou à Agência ECCLESIA.

A editora publicou cerca de 25 livros referentes a esta iniciativa, que decorre desde outubro de 2012 e termina este domingo, mas como a Paulus “é multimedial” equilibrou as ofertas impressas com outros formatos, como “o hino oficial em formato CD”, a publicação de DVD, “a aposta na internet”, para além das revistas que publicam.

Segundo o editor, os projetos tiveram várias vertentes, “pelo menos quatro áreas”, com a publicação “dos documentos do magistério.

Noutra vertente a Paulus Editora privilegiou as edições associadas aos 50 anos do Concílio Vaticano II, “um dos temas centrais do Ano da Fé”, e contactou várias pessoas “para darem opinião sobre como está a Igreja ou como deveria ser depois destes 50 anos”, explicou o irmão Darlei Zanon.

O responsável também distingue a publicação “A nova evangelização”, de D. Rino Fisichella, presidente do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização, como “um vade-mécum”, uma obra de referência para a nova evangelização, uma das áreas de interesse das publicações da editora associadas ao Ano da Fé.

Na obra, D. Rino Fisichella faz uma abordagem histórica ao nome nova evangelização, “parte do princípio do que significa evangelizar, a missão principal da Igreja”, como ao longo da história se desenvolveu este termo que “nasceu com o Papa João Paulo II, em 1979” e apresenta quais “as metodologias, os lugares e quem são os atores principais, a função do sacerdote e dos leigos”, desenvolve o editor da Paulus.

Outro projeto de destaque foi o “Crer: imagens de uma aventura”, que surgiu “com o anúncio do Átrio dos Gentios, em Guimarães”, onde a Paulus desafiou uma pintora a ilustrar o Credo – Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo – em quadros que foram comentados por D. Carlos Azevedo, “não só a parte artística mas também a parte doutrinal como reflexão”, de onde publicaram dois livros: “’Crer: imagens de uma aventura’ com as pinturas e um livro de bolso”, explica o irmão Darlei Zanon.

“Para a Paulus foi um ano muito interessante, muito rico, porque tivemos um retorno bastante significativo do nosso público, não só das livrarias mas também através de cartas e de telefonemas”, continuou o editor.

Segundo o responsável, o Ano da Fé “mobilizou muito as pessoas em geral e as paróquias, não só no sentido de organização a partir do pároco, mas os próprios leigos tiveram um grande impulso para aprofundar o sentido da própria fé e esclarecer todas as questões em torno da fé”.

Para este aprofundamento da fé nos leigos, o irmão Darlei Zanon destaca a coleção “Introdução à Fé” pelo feedback manifestado por vários grupos “como interessante para essa vivência e aprofundamento do Ano da Fé”.

HM/CB/OC

Partilhar:
Share