«Todos devemos envolver-nos naquilo que são os valores fundamentais que nos dignificam» – D. Manuel Quintas

Foto: Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Faro, 31 out 2019 (Ecclesia) – O bispo do Algarve disse hoje que a “vocação nobre da promoção da paz e da justiça” é uma tarefa de todos e “não apenas da PSP”, na Missa do 91º aniversário do Comando Distrital da Polícia de Segurança Pública de Faro.

“Todos devemos envolver-nos naquilo que são os valores fundamentais que nos dignificam como pessoas e que criam condições para um melhor estilo de vida de todos nós”, afirmou D. Manuel Quintas, na igreja matriz de Olhão.

Na informação enviada à Agência ECCLESIA, pelo jornal diocesano ‘Folha do Domingo’, o bispo do Algarve realçou que a “verdadeira paz é obra e, simultaneamente, fruto da justiça” e apelou que todos possam “colaborar ativamente” com quem tem a “nobre missão” da proteção pública.

“Em dia de aniversário do comando da PSP aqui do distrito de Faro queremos louvar o Senhor por todo o dom que cada um dos seus elementos constitui para esta nossa região”, referiu.

D. Manuel Quintas salientou que oportunidade de manifestar o “reconhecimento a quantos constituem a PSP do Distrito de Faro” e o “louvor a Deus pelo serviço dedicado prestado, tantas vezes com o risco da própria vida”.

“Queremos também evocar de Deus a sua bênção e a sua proteção para que este serviço seja não só reconhecido, mas possa também contagiar, de certa maneira, todos os cidadãos, procurando envolver-nos neste serviço comum para que a paz e a justiça possam resultar do contributo de todos nós”, desenvolveu.

D. Manuel Quintas assinalou que na Missa, “à luz da fé e da esperança na ressurreição”, iam “sufragar quantos morreram em serviço, defendendo pessoas e bens e preservando a ordem pública” e rezaram de maneira particular pelos agentes no ativo falecidos desde 2009.

Foto: Samuel Mendonça/Folha do Domingo

As comemorações do 91º aniversário do Comando Distrital da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Faro começaram com a Eucaristia, concelebrada pelos padres João Fanha, capelão nacional da PSP, e Armando Amâncio, pároco de Olhão, e o bispo deixou ainda “um abraço” do bispo das Forças Armadas e Forças de Segurança, D. Rui Valério.

A celebração terminou com a oração a São Miguel, arcanjo, patrono da PSP, que é a oração da polícia civil de quase todos os países do mundo, informa o jornal ‘Folha do Domingo’.

CB

Partilhar:
Share