Coordenador da Comissão criada pela Conferência Episcopal sublinha desafio de criar texto compreensível no século XXI, sem perder fidelidade às línguas originais

Lisboa, 03 jul 2021 (Ecclesia) – O padre Mário de Sousa, coordenador da Comissão da Tradução da Bíblia para a Conferência Episcopal Portuguesa, disse à Agência ECCLESIA que novos livros vão ser publicados online, para que o público-alvo se pronuncie sobre o texto.

“O projeto que temos é o de apresentar ao público um livro por mês”, apostando em particular “os livros mais significativos, os que são mais utilizados na Liturgia”, indicou o especialista no estudo da Sagrada Escritura.

A nova série começa com o segundo livro do Antigo Testamento, o Êxodo, que já foi traduzido e revisto.

A primeira obra publicada apresentou ‘Os quatro Evangelhos e os Salmos’, numa versão experimental.

Em fase de “revisão literária” estão neste momento 35 livros, “prontos para serem apresentados” ao público, entre eles a maioria dos “livros mais extensos” da Bíblia.

O padre Mário de Sousa sublinha que a intenção é que as pessoas a quem o texto se destina se possam pronunciar sobre o mesmo, melhorando a sua “compreensibilidade”.

A Comissão da Tradução da Bíblia para a Conferência Episcopal Portuguesa vai agora “disponibilizar progressivamente” os vários livros traduzidos, online, para que as pessoas “leiam e possam fazer chegar os seus comentários” ao endereço eletrónico biblia.cep@gmail.com.

O texto apresentado ao público resulta de um trabalho de equipa, feito por um “grupo muito grande de tradutores”, de vários países de língua portuguesa e de “várias sensibilidades”.

O coordenador assume que este é um trabalho longo, indicando que a tradução de “quatro ou cinco versículos” pode levar uma tarde, por exemplo.

“Às vezes é, de facto, desesperante”, graceja, realçando que o contributo de outros especialistas ajuda “a pensar o texto de uma forma que nunca tinha acontecido”.

O padre Mário de Sousa sublinha as “caraterísticas” próprias da finalidade e natureza desta tradução da Bíblia, que deve ser “compreensível” para os leitores de hoje, ao mesmo tempo que procura ser “o mais fiel possível às línguas originais”

“É um trabalho difícil”, admite.

Em março de 2019 a Conferência Episcopal Portuguesa apresentou o primeiro volume da nova tradução da Bíblia em português feita por 34 investigadores a partir das línguas originais, com a publicação da edição de ‘Os Quatro Evangelhos e os Salmos’, disponíveis no endereço conferenciaepiscopal.pt/biblia, convidando os leitores a deixar a sua opinião sobre e contribuindo para a melhorar.

Foto: Folha do Domingo

O coordenador da Comissão indica que foram recebidos comentários “muito válidos”, realçando que houve no início do trabalho uma preocupação muito grande com a “literalidade” e será necessário acrescentar uma dimensão “mais pastoral”.

Esta sensibilidade levou à introdução de notas que “justificassem as opções de tradução” e ajudem o leitor a “entender o sentido mais profundo do texto”.

A tradução passa ainda por uma “revisão litúrgica”, para que o texto possa ser usado nas várias celebrações das comunidades católicas.

O padre Mário de Sousa, natural de Vila Real de Santo António, é professor de Novo Testamento no Instituto Superior de Teologia de Évora, diretor do Centro de Estudos e Formação de Leigos do Algarve e presidente Associação Bíblica Portuguesa desde 2017.

O sacerdote celebrou esta semana 25 anos de ordenação, destacando a oportunidade que lhe é dada para “saborear” o texto bíblico, na missão que lhe é agora confiada.

“Tem sido uma riqueza muito grande”, assume.

A entrevista está em destaque na emissão deste domingo do Programa ECCLESIA, na Antena 1 da rádio pública, pelas 06h00, contando ainda com a apresentação do projeto sobre “A Bíblia em Portugal”, do investigador em ciências bíblicas frei Herculano Alves.

A apresentação ao público de um livro por mês da nova tradução da Bíblia vai ser feita também através dos canais da Agência ECCLESIA.

OC

Partilhar:
Share