«Um exemplo, um modelo e uma inspiração», disse D. Rui Valério

Foto: Real Confraria do Santo Condestável S. Frei Nuno Stª Maria Álvares Pereira

Vila Viçosa, 07 nov 2022 (Ecclesia) – O bispo das Forças Armadas e de Segurança destacou o exemplo de vida e obra de São Nuno de Santa Maria, o Santo Condestável, numa celebração a que presidiu este domingo, dia da memória do patrono do Estado-Maior General das Forças Armadas de Portugal.

“Nuno Álvares Pereira: abraçou uma causa que foi Portugal, e dedicou a vida a servir a Pátria; desposou Jesus Cristo, e a Ele consagrou o seu coração, a sua alma, o seu espírito e até, o seu corpo quando emitiu os votos religiosos na Ordem Carmelita. Para nós, um exemplo, um modelo e uma inspiração”, disse D. Rui Valério, no Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Vila Viçosa.

Na homilia enviada à Agência ECCLESIA, o bispo do Ordinariato Castrense explicou que a “experiência de fé” de Nun’Alvarez Pereira era “oferecida como mensagem que interpela diretamente”: “Não digas ao Senhor que tens um grande problema, diz antes ao teu problema que tens um Deus grande e omnipotente, que te transporta nas Suas mãos como se voasses em asas de águia”.

Segundo D. Rui Valério, foi esta a certeza e a confiança que incutiram no Santo Condestável “bravura, coragem e valentia para enfrentar e vencer os adversários”, atitudes que se tornaram “faróis motivadores” para os homens que comandava e, sobretudo, “foram esses valores despontados da fé que ergueram uma Nação”.

A presença constante de Deus, Aquele que vence a morte, garantindo a sua companhia junto de quem ama, de quem acredita e faz a sua vontade, é a fonte e a razão de toda aquela força e coragem que faz com que mulheres e homens, idosos e jovens, de todas as latitudes, independentemente da sua condição e do seu percurso, se sintam invencíveis; se tornem capazes de vencer adversidades e revezes, de enfrentar cada desafio e de ultrapassar dificuldades”.

O bispo das Forças Armadas e de Segurança afirmou que “Deus transforma o mundo, não através de uma atuação direta sobre o próprio mundo, mas por meio da mudança que suscita nas pessoas”.

“Hoje, ao Condestável do Reino, a nossa gratidão pela obra grandiosa que realizou com o seu saber e a sua entrega. Sobretudo porque a elevou aos valores supremos do altruísmo e humanismo. Obra intemporal, cuja sabedoria é perpetuamente oferecida aos Militares, seus legítimos herdeiros, que a promovem e testemunham em cada tempo e contexto histórico”, prosseguiu.

Este domingo, para além da Eucaristia no Santuário de Nossa Senhora da Conceição realizou-se também uma cerimónia Militar no Paço Ducal e uma homenagem aos Antigos Combatentes do Concelho de Vila Viçosa, no Seminário de São José, e, no sábado, um concerto da Banda da Força Aérea, na igreja dos Agostinhos.

“Tal como hoje a Palavra de Deus recordava tantos heróis que viveram a vitória da vida sobre a morte, também os Militares ficarão contemplados na miríade dos justos que participam do esplendor da Pátria eterna e cujos nomes estarão escritos no céu”, referiu o bispo da Diocese das Forças Armadas e de Segurança de Portugal.

CB/OC

Partilhar:
Share